terça-feira , 18 dezembro 2018
Home / Destaque / Uma análise com repúdio ao ato racista de um torcedor bugrino e a necessidade de enfrentar a questão de frente no Brinco de Ouro

Uma análise com repúdio ao ato racista de um torcedor bugrino e a necessidade de enfrentar a questão de frente no Brinco de Ouro

O jogo era para ser de festa. E foi. O Guarani conseguiu o acesso à primeira divisão do Campeonato Paulista. Está no lugar de onde nunca deveria ter saído. Mas isso não faz este jornalista ignorar a cena repugnante de um torcedor bugrino dirigindo ofensas racistas a um torcedor do XV de Piracicaba.

Em condições normais, o Guarani deveria ser punido. Ponto. Entretanto, penso que algo está na hora de ser encarado de frente, sem máscaras ou disfarces. Torcedores e dirigentes do Guarani precisam começar a discutir o estigma que segue a agremiação há décadas de ser uma torcida com integrantes racistas. Fugir disso é enxugar gelo.

A Ponte Preta, principal rival, só incorporou o apelido de Macaca porque os torcedores do Guarani lhe dirigiam ofensas racistas. Foi uma bela sacada, mas a marca ficou.

Quem conhece a história do Guarani sabe a importância de Jaime Silva, um negro. Se o estádio e o complexo do Brinco de Ouro vão salvar a sua vida, é porque Jaime conseguiu construir um patrimônio fabuloso. Pergunta: por que ele não é ovacionado e elogiado, assim como Leonel Martins de Oliveira e Luiz Roberto Zini? Pois é.

Vou mais além: Jorge Mendonça foi um dos principais jogadores da história do Guarani. E também não tem o devido reconhecimento.

O Guarani ainda convive, desde os anos 1980, com um incômodo estigma, a de que existiam obstáculos para que pessoas da raça negra fossem sócias do clube.

Todas estas premissas podem ser mentirosas? Incorretas?  Sim, pode. Mas o fato é que o cenário está forjado. Não há como fugir da constatação. O estigma existe. Por causa de meia duzia? Pode ser. O clube e a torcida nunca tiveram atenção para tal premissa.

Abre-se uma possibilidade para o Guarani e sua torcida fazer um acerto de contas com a história. Em primeiro lugar, expurgando todo e qualquer torcedor que demonstrar postura de discriminação racial. Seria de bom grado incorporar datas de luta da comunidade negra, como o dia 21 de março, Dia de Luta contra a Discriminação Racial e o dia 20 de novembro, Dia da Consciência. Futebol também é posicionamento.

Concordo que existem torcedores racistas em todos os clubes e associações. Mas alguns times tem um estigma muito mais marcado. Vide o Grêmio com seu histórico problemático e que até culminou com eliminação na Copa do Brasil.

Emitir nota oficial com repudio à atitude do torcedor é bom. Mas é pouco. Ou o Guarani como instituição e sua torcida entram para valer nesta luta ou este será um fantasma pronto para atormentar a cada entrada em campo em qualquer parte do Brasil.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Abdalla garante chegada de reforços na Ponte Preta ainda nesta semana

Pressionado pela torcida nas ruas e nas redes sociais, o presidente da Ponte Preta, José ...

8 Comentários

  1. Sério? 15.000 pessoas, meia dúzia, literalmente meia dúzia fizeram um ato ridículo e temos um texto com uma série de suposições?

    Porque não escreveu um texto de repudio sobre a agressão covarde que alguns membros da organizada do Guarani fizeram durante o jogo, e que quase todas as pessoas em volta dessa agressão no tobogã começaram a repudiar e a gritar vergonha pra esses vândalos?

    Mais uma vez tendencioso.

  2. Obrigado por esta dica sobre desenho estava muito querendo ler um artigo como esse obrigado!!

  3. Parabéns, excelente texto, o racismo é repugnante.

  4. Cara, meia dúzia de torcedores fizeram atos racistas, isso de modo algum representa a maioria dos bugrinos. Quantos craques negros não tivemos e celebramos! Nosso atual presidente é negro. Álvaro Negrão, recentemente, também. Ou seja, chefes máximos da agremiação negros. Por isso, devemos sim condenar a atitude dos elementos racistas, mas de alguma forma querer associar isso à instituição Guarani ou aos torcedores em geral, é completamente sem lógica.

  5. Fazendo uma visitinha por aqui.
    Depois da uma passada na minha página que eu tenho algo muito bom mesmo, vale apena conferir.
    Beijos

  6. No passado a torcida do GFC foi racista sim….hj acredito q não mais.
    Isso foi uma atitude isolada de um otario q merece cadeia…. infelizmente para nós pontepretanos o GFC subiu na bola e com isso não merece punição por causa de um otario.
    Chamar pontepretano de macaco não é racismo nem ofensa, agora em um jogo no qual não era contra a Ponte é ainda com a titude de passar a mão na pele, não tem desculpa.
    Punição sim…..para o babaca q fez isso e não para o time que não tem nada a ver com isso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *