segunda-feira , 21 Maio 2018
Home / Destaque / André Castro enaltece concorrência no meio-campo e cobra capricho nos arremates

André Castro enaltece concorrência no meio-campo e cobra capricho nos arremates

Sabe aquele rapaz que chegou por último e já sentou na janelinha? Este é André Castro. Contratado no início de abril, o volante fez sua primeira participação na partida de ida das oitavas de final da Copa do Brasil, diante do Flamengo, em 02 de maio, no Moisés Lucarelli, e não perdeu mais espaço na equipe.

Depois de ter agradado Doriva no meio-campo, com grande poder de marcação e eficiência na troca de passes, o jogador de 26 anos parece ter organizado o setor à frente da zaga, apesar do pouco tempo de trabalho com os novos companheiros. “Estou me sentindo muito bem e me adaptando aos poucos. Acho que estamos entrosados e as coisas vão caminhando bem” confessou.

Com a concorrência de Nathan, Paulinho, João Vitor, Lucas Mineiro, Xavier, Ronaldo, Vitinho e Murilo – além de Tiago Real e Marciel que também podem atuar como volantes -, Castro se firmou na equipe e enalteceu a concorrência no setor. “Time é muito qualificado, a disputa é grande, mas isso é bom para todos. Procuro dar o meu melhor para agarrar essa oportunidade”, destacou o jogador.

Com dificuldades no setor de ataque, a Macaca tem apenas 21 gols nestes cinco primeiro meses do ano, o que preocupa o torcedor pontepretano. Para o volante, o capricho irá resolver o problema. “O time está muito bem jogando agrupado. Precisamos ter capricho no último passe e na finalização. Acredito que, logo mais, vamos nos acertar e vão sair os gols”, projetou.

Com André Castro como titular, a Ponte Preta enfrenta o Atlético-GO neste sábado, às 16h30, no estádio Nabi Abi Chedid. A Alvinegra deve ir a campo com Ivan; Igor Vinícius, Renan Fonseca, Reginaldo e Marciel; André Castro, Paulinho e Tiago Real; André Luís, Felippe Cardoso e Danilo Barcelos.

(texto e reportagem: Lucas Rossafa e Eduardo Martins/foto: Fábio Leoni – Ponte Press)

Veja Também

A escolha do Guarani: trabalho de longo prazo ou a inconsequência da troca de treinador?

O futebol tem memória curta. Tudo é esquecido em segundos. O empate no Serra Dourada ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *