segunda-feira , 21 Maio 2018
Home / Destaque / Com apenas seis gols, Ponte tem o pior aproveitamento ofensivo nos pontos corridos do Paulistão

Com apenas seis gols, Ponte tem o pior aproveitamento ofensivo nos pontos corridos do Paulistão

O ataque da Ponte Preta deixou de balançar as redes mais uma vez na última rodada, na derrota para o Bragantino, por 1 a 0, no Majestoso. Foram seis finalizações da Macaca, mas nenhuma delas cruzou a linha de meta, frustrando os quase cinco mil pontepretanos que compareceram ao Moisés Lucarelli. Os números ofensivos são frustrantes: é o pior aproveitamento da equipe na história dos pontos corridos do Paulistão.

Neste formato, a Ponte Preta disputa a Série A1 desde 2003 e nunca deixou de fazer menos de 10 gols nas dez rodadas inciais. Em 2018, com o time brigando para não cair, são apenas seis tentos anotados até o momento. Mais uma marca negativa que Eduardo Baptista terá que administrar diante das fortes críticas que a comissão técnica vem sofrendo.

Confira o aproveitamento ofensivo da Ponte Preta nas 10 rodadas iniciais na era dos pontos corridos do Paulistão:

2003 – 10 jogos – 15 gols
2004 – 10J – 13G
2005 – 10J – 15G
2006 – 10J – 14G
2007 – 10J – 11G
2008 – 10J – 22G
2009 – 10J – 16G
2010 – 10J – 14G
2011 – 10J – 14G
2012 – 10J – 19G
2013 – 10J – 14G
2014 – 10J – 11G
2015 – 10J – 14G
2016 – 10J – 10G
2017 – 10J – 12G
2018 – 10J – 6G

Até aqui, a Ponte Preta já finalizou 100 vezes, segundo o Footstats. Com seis gols marcados, isso mostra que os jogadores da Macaca precisam de aproximadamente 16 arremates para marcar, um número relativamente alto comparado com os líderes Santos, com 15, e Corinthians, 14. As equipes contabilizam média semelhante e necessitam de sete chutas para balançarem as redes.

Ainda com os números negativos, Eduardo Baptista encontra dificuldades para montar a equipe, principalmente no ataque. Felipe Cardoso e Saraiva ainda são dúvidas para o jogo contra o Red Bull na próxima quinta-feira. Opções como Silvinho, Gabriel Vasconcelos e Yuri ainda estão abaixo do esperado pelo torcedor.

(texto e reportagem: Júlio Nascimento/foto: Fábio Leoni – PontePress)

Veja Também

A escolha do Guarani: trabalho de longo prazo ou a inconsequência da troca de treinador?

O futebol tem memória curta. Tudo é esquecido em segundos. O empate no Serra Dourada ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *