Como a blindagem em torno do Fumagalli atrapalhou a avaliação do novo dirigente

4
1.011 views

Trabalho como comentarista esportivo de maneira ininterrupta desde 2008 e acompanhei de modo pormenorizado a segunda passagem de Fumagalli como jogador do Guarani. E durante sua estadia na Série C, por diversas vezes apontava partidas ruins de sua responsabilidade e uma lentidão que deixava o time travado.

Era o suficiente para alguns companheiros de bancada na Rádio Central, que hoje não trabalham mais comigo, utilizaram ataques verbais para desqualificar meus argumentos. Fumagalli era Deus. Intocável. Pouca gente se dava conta de que quando o elogio era merecido eu não tinha qualquer pudor em fazê-lo. Tanto que dei nota 10 para sua atuação nos 6 a 0 sobre o ABC, pelas semifinais da Série C de 2016.

O fato é que uma blindagem foi construída em torno de Fumagalli. Carência exacerbada por ídolos criou em alguns torcedores a percepção de que atacar o ex-camisa 10 era destroçar o Guarani. Longe disso.

Queiramos ou não, este melindre em querer criticar Fumagalli atrasou em alguns meses a conclusão de que ele ainda não está preparado para exercer o cargo. E a falha de avaliação de ser estendida a uma parte da torcida e imprensa.

O ideal seria demiti-lo? Concordo. Mas tenho convicção que, mesmo indiretamente, a ala xiita em defesa do ex-jogador ainda coloca algumas barreiras incomodas.

Fica a lição: quem deve ser preservada sempre é a instituição. Homens, até os talentosos com a bola nos pés merecem ser criticados e observados. Para que seus erros não comprometem o futuro.

(Elias Aredes Junior)

4 Comentários

  1. FUMAGALLI não se preparou corretamente para a função. Mas não podemos esquecer que a culpa maior e de quem o convidou para ocupar este cargo, Palmeiron Mendes Filho.
    Aliás a incapacidade vem de cima, hoje não existe em todo o quadro diretivo do GUARANI alguém com capacidade para gerir o clube.
    Está é a realidade

  2. Acho que Fumagalli contribuiu muito como jogador, mas este tipo de trabalho precisa de relacionamento no meio, experiência e olho clínico para qualificar jogadores. Isto está provado que não tem. Mesmo nas posições que ele atuou não temos um titular definido. A base também pode ser uma ilusão já que as estatísticas mostram que poucos vingam. O Presidente fez bem em dar a oportunidade mas já deveria ter mudado. Pode ser agora. É só dar uma saída honrosa ao Fuma. E continuar o remodelamento do elenco. A hora é agora. AÇÃO.

  3. Concordo plenamente contigo!

    O que acontece com o Fumagalli é, dada as devidas proporções é claro, a mesma situação do Rogério Ceni quando foi guindado ao posto de treinador no São Paulo. Ambos recém-aposentados dos gramados como jogadores, foram contratados pra servirem de porta corta-fogo afim de evitar que as crises no futebol estourassem nas presidências dos clubes, mas no primeiro incêndio ambas portas ruíram. Rogério Ceni está se reerguendo no Fortaleza, caminho que Fumagalli também vai seguir em breve.

    Um detalhe importante é que há décadas o Guarani não tem alguém que saiba dirigi-lo, é um dirigente pior que o outro. Daria pra fazer tranquilamente uma galeria com os melhores piores presidentes do Guarani.

    Creio que o último dirigente de peso a dirigir o Guarani foi Beto Zini. Teve muitos bons momentos, porém seu ímpeto bugrino fez com que viesse a tomar atitudes tresloucadas que deram origem à derrocada financeira que fez com que o Guarani perdesse o Brinco.

    Ressalto também que Leonel Martins em sua 1a passagem fez uma administração boa e conquistou o maior título do Clube, porém a sua 2a passagem como presidente foi um desastre, creio que ele aceitou o cargo torcendo pra que outra pessoa aparecesse, como não apareceu ninguém ele assumiu o cargo, porém sem tesão algum, tanto é que passava maior tempo em sua fazenda em Goiás do que no Brinco, deixando espaço pra que ervas daninhas se proliferassem.

    Domingo abre-se uma janela de oportunidade para que os bugrinos decidam se querem mudar algo no Clube ou querem manter essa gente que faz sempre a mesma coisa há décadas. A sorte está lançada…

  4. CUlpado é quem contratou.. o Fumagalli só aceitou e aproveitou a oportunidade..
    Demitir do clube? Não sei.. talvez mudar de função…
    Mas agora espera o próximo ano,pq quanto mais tentar trocar a roda do carro, com ele em movimento, mais vai dar errado