segunda-feira , 18 março 2019
Home / Destaque / Diretoria do Guarani quer cobrar R$ 60 de ingresso. Insensibilidade ou tentativa de elitização?

Diretoria do Guarani quer cobrar R$ 60 de ingresso. Insensibilidade ou tentativa de elitização?

Nas décadas de 1970, 1980 e 1990 qualquer campineiro minimamente antenado com o futebol conhecia o perfil do torcedor do Guarani: geralmente descendente de italianos, classe média, atuante em profissões liberais e assíduo frequentador das piscinas do clube. Alguns chegavam a dizer que era uma réplica do torcedor são paulino por só aparecer no estádio Brinco de Ouro na maré favorável, quando existia disputa de título.

Veio a onda de incompetência do Século 21 e de modo surpreendente, a torcida bugrina abriu seus horizontes. Entrou em bairros periféricos e populares. Gente com os mais variados perfis sócio e econômicos passaram acompanhar o calvário na Série C e posteriormente na segundona nacional. Hoje, a torcida bugrina está longe de ser apenas das classes A e B. Ficou popular.

A descrição feita acima é um motivo a mais para intensificar a incompreensão em relação a decisão da diretoria do Guarani de majorar o ingresso para R$ 60 e assim tentar convencer o torcedor a aderir ao programa de Sócio Torcedor, que tem valores de R$ 20 a R$ 80. Ninguém precisa me explicar. Eu sei das vantagens como a presença nos jogos, preferência na aquisição de ingressos, etc, etc, etc.

O que falo é ainda mais profundo, que é a sintonia com aquilo que ocorre no Brasil. Vivemos em um país com 12 milhões de desempregados e com salário mínimo de R$ 998. Muitos bugrinos encontram-se nesta situação. Infelizmente. Quem vive tal quadro não quer saber de se programar para pagar mensalmente uma taxa para ter acesso ao futebol. O foco principal é a sobrevivência. Futebol? Talvez um ou dois jogos a cada dois ou três meses, desde que o valor do ingresso seja bem baixo, no máximo, R$ 10. Percebam: este perfil de público está fora dos planos do Guarani.

Já disse minha predileção por acabar com o Sócio Torcedor pelo perfil do torcedor campineiro. Se desejam  continuar, tudo bem. Que pelo menos tivessem a sensibilidade do Paysandu, que fez um cadastro com torcedores de baixa renda e vai viabilizar a sua entrada gratuita na próxima temporada.

Se o Guarani deixou de ser um clube de classe média para ficar popular que não desperdice esse patrimônio por bobagem.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Abdalla, um presidente bafejado pela sorte e pelos deuses do futebol

Existem dois tipos de dirigentes.  Um é aquele capaz de construir vitórias inesquecíveis com sua ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *