segunda-feira , 21 Maio 2018
Home / Destaque / Ponte Preta: a panela de pressão vai explodir?

Ponte Preta: a panela de pressão vai explodir?

Quatro pontos somados como visitante diante de São Bento e Ituano concederam um fôlego para o técnico Eduardo Baptista implantar o seu método de trabalhar e continuar a sua aposta nos garotos e em jogadores determinados a vencerem na selva do futebol. Dúvida é saber como reagirá torcedores e conselheiros em relação aos dirigentes envolvidos em uma avalanche de críticas e decepções.

Você anda na rua e muitos torcedores pontepretanos só sabem dizer que a Ponte Preta está quebrada financeiramente.

Os dirigentes, assim como náufragos apoiados em uma boia murcha, enumeram diversos argumentos para justificar o rombo de R$ 10 milhões. Não conseguem.

Sérgio Carnielli está na berlinda, assim como Vanderlei Pereira e o diretor financeiro Gustavo Valio. Por mais que tenham boas intenções, não conseguem exterminar a sensação amarga na boca do torcedor da Macaca, que teme até o futuro.

Traduzindo: acesso na Série B. Interessante é checarmos a história e verificarmos por que os apelos dos dirigentes não fazem eco neste instante dramático.

Uma conjuntura que contrasta com dois momentos da história recente da Alvinegra. Em 2003, o time encontrava-se em quadro financeiro dramático. Salários atrasados e jogadores na Justiça eram rotina. Pois na época, o diretor de futebol, Marco Antonio Eberlim e o médico Danilo Villagelim pediram uma trégua.

Um pacto para sair do rebaixamento. Deu certo. Tanto que no jogo decisivo diante do Fortaleza o publico registrado foi de 18.279 pagantes.

Após 10 anos, novo drama. O time caiu de divisão, mas ainda mantinha esperanças de chegar à final da Copa Sul-Americana. A decisão no Pacaembu teve quase 30 mil pagantes. Fruto não só da bola, mas também do apelo de quem comandava o clube.

Sei que o grupo político atualmente no comando da Macaca tem urticária dos dois nomes citados. Tanto que estão sob julgamento no Conselho Deliberativo até hoje.

Um aspecto ninguém pode negar: na época das duas crises, em 2003 e 2013, tanto Marco Antonio Eberlim quanto Márcio Della Volpe detinham um ativo precioso no futebol: credibilidade. Ou seja, eles falavam e as arquibancadas acreditavam.

E hoje? Como acreditar e dar voto de confiança em uma diretoria que durante três anos jurou de pés juntos que as contas estavam em dia e de repente tudo desaba? De que maneira dar um voto de confiança para quem no ano passado negou perante a imprensa de que Rodrigo não interessava e um dia depois o zagueiro era apresentado? Vou além: como depositar confiança de que novos tempos virão um pilar da democracia, que é a concessão de voz a oposição precisa ser viabilizada a fórceps?

Até concordo que Abdalla, Tiãozinho e Tagino não podem ser responsabilizados pelo caos instalado pelo rebaixamento e a gestão financeira. Ok. Mas se eles continuarem com uma postura apática e sem diferenciar claramente o que eles pretendem daquilo que foi feito no passado, muitos poderão chegar a conclusão de que a esperança é um ativo em falta no Majestoso. Uma pena.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Ponte Preta é a única equipe da Série B que ainda não somou ponto como mandante

A Ponte Preta tem sofrido mais do que o normal quando atua como mandante na ...

3 Comentários

  1. Calma, diria o gênio Eduardo Batista, que Léo Artur vai desencantar, vai conduzir a Ponte á série A e será vendido por milhões, que diferentemente de outros tantos, a grana entrará para o cofre do clube, e o busto de Lucarelli será removido para colocar o meu !

  2. Chico Fundamentalista

    Se a Ponte fizer um Paulista digno, o torcedor volta a acreditar. O time precisa dar liga, aprender a jogar com a bola nos pés. Um time de robozinho, que fica trás da linha da bola postado esperando um contra ataque é pouco. Queremos ver mais. Sabemos que todos ali podem mostrar mais e acredito que isso irá acontecer.

  3. Caro Elias, gostaria que o sr fizesse apenas uma pergunta ao homem que está presidente de honra da Ponte:
    Por que o sr, honrado pontepretano, não foi ao jogo da final contra o Lanús?

    Alguém aqui já viu em algum lugar do planeta um presidente de clube não ir num jogo final de tamanha importância?

    Mandou o Tiãozinho, notório corintiano…

    Precisa dizer mais??

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *