sexta-feira , 21 setembro 2018
Home / Destaque / 118 anos de Ponte Preta: Os goleiros revelados nas quatro últimas décadas

118 anos de Ponte Preta: Os goleiros revelados nas quatro últimas décadas

Em alusão ao 118º aniversário da Associação Atlética Ponte Preta, equipe de futebol mais antiga do país, a reportagem do Só Dérbi revirou os arquivos e, nos próximos dias, traz reportagens especiais a respeito dos jogadores revelados nas categorias de base.

O levantamento aborda os últimos 40 anos da instituição, haja vista ter passado toda a década de 60 na segunda divisão. Até que em 1969, um time de jovens formados no próprio clube, levou a Macaca ao seu primeiro título da era profissional, o da Série A2 do Campeonato Paulista.

No ano seguinte, com a mesma base, conquistou o vice-campeonato estadual e foi o único do interior paulista a disputar o Troféu Roberto Gomes Pedrosa, em outras palavras, o Campeonato Brasileiro da época.

Entre craques, ídolos e figuras exóticas, confira os principais goleiros alvinegros das quatro últimas décadas. Entre os nomes de maior destaque estão Carlos, João Brigatti, Aranha, Valdir Peres e companhia. Vale destacar que a Alvinegra é conhecida como um celeiro de camisas 1 do futebol nacional.

GOLEIROS

Wilson Chiqueto: titular de 1969 até ir para o Santos

Pivetti: reserva em 1969

Carlos: atuou entre 1973 e 1983. É o terceiro atleta que mais vestiu a camisa da Ponte com 437 jogos. Ele disputou três Copas do Mundo: 1978 (Argentina), 1982 (Espanha) e 1986 (México), época em que já jogava no Corinthians

Valdir Peres: 1970 até 1973. Depois acabou negociado com o São Paulo, onde foi entre outros Campeão Brasileiro de 1977. Disputou três Mundiais: 1974, 1978 e 1982. Retornou ao time campineiro em 1989

Moacir: no início de 1977, foi vendido para a Portuguesa, enquanto o atacante Ruy Rei veio em contrapartida. Em 03 de outubro de 1976, o camisa 1 pegou pênalti cobrado por Zenon, em dérbi disputado no Brinco de Ouro da Princesa, empatado sem gols. Em 2009, Moacir foi eleito vereador em Mogi Mirim

Luís Henrique: foi medalha de Prata da Olimpíada de 1984 nos EUA, mas era reserva

Robson: vice-campeão paulista em 1981 – reserva de Carlos -, jogou também no Guarani, onde ficou em segundo lugar no Brasileiro de 1986

Sérgio Guedes: entre 1984 e 1989, foram 183 jogos. Foi técnico da Ponte no vice estadual de 2008

João Brigatti: defendeu o manto alvinegro de 1985 até 1995. Foi o goleiro titular do acesso para o Campeonato Paulista em 1989. É o atual técnico do time

André Dias: 1993

Alexandre Fávaro: goleiro titular da acesso para o Paulistão em 1999

Alexandre Negri: pegou um pênalti de Edu Dracena no Brinco de Ouro da Princesa pelo Rio/São Paulo de 2001. O jogo terminou empatado em 1 a 1

Adriano Basso – 1998

Lauro: jogou de 1999 até 2005 até voltar em 2012. É o único goleiro que fez um gol para a Ponte: no empate com o Flamengo por 1 a 1 em 2003

Aranha: segundo goleiro que mais atuou pela Ponte com 209 jogos. Foi vice-campeão paulista em 2008 e 2017

Denis: 2007 e 2008. ficou muito tempo na reserva do Rogério Ceni no São Paulo. Hoje está no Figueirense

Fabiano: fez uma defesa espetacular no final do jogo em 1997, no empate em 1 a 1 com o Náutico no Majestoso e garantiu o acesso para o Brasileirão

Reynaldo: fez uma partida em 2011, uma em 2012 e uma em 2015. Está no Operário, de Ponta Grossa (PR), integrante da terceira divisão

Ivan: titular absoluto no elenco atual

(texto e reportagem: Lucas Rossafa/foto: Ponte Press)

Veja Também

Clássicos fazem festa pelo Brasil. Em Campinas, dérbis com paz de cemitério. Até quando?

Assisto aos clássicos do Campeonato Brasileiro. O Internacional ganha do Grêmio por 1 a 0 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *