segunda-feira , 21 Maio 2018
Home / Guarani / A aposta cega em Fernando Diniz dará certo no Guarani?

A aposta cega em Fernando Diniz dará certo no Guarani?

Não tenho o goleiro Leandro Santos como um destaque bugrino em 2017. Fez boas partidas e alguns vacilos. Mas tem caráter, postura e determinação. Assim como o volante Baraka. Nos dois casos um fato paira no ar: a de que tudo depende da aprovação do técnico Fernando Diniz. Ele dará a palavra final.

O significado de tal atitude não é rasteira. Especialmente se levarmos em conta que o treinador bugrino faz parte de uma linhagem diferente do futebol brasileiro.

Tem um futebol de extrema movimentação, aguçado sentido tático e trabalho com a posse de bola. Gosta de times técnicos e valorização da posse de bola. Duro é constatar a inexistência de plano B. Ou seja, não há notícia que Fernando Diniz atue no 4-4-2, com três zagueiros clássicos ou volantes de contenção ou que planeje sua equipe para atuar com armadores clássicos e um atacante isolado. Ou abraça a sua tese ou é nada.

Esta é a pergunta que precisa ser feita. Até que ponto é salutar conceder carta branca e irrestrita para um técnico com uma característica tão peculiar?

Reitero: Fernando Diniz já deu provas de que é um técnico de excelência. Ótimo. Traz oxigênio a um futebol caduco e sem renovação.

O problema é que ele foi contratado pelo Guarani, clube em estado constante de ebulição e que entrará na próxima edição da Série A-2 com a obrigação de subir de divisão. Não pode adiar. Mais: a torcida exigirá boa campanha na Série B e montagem de um time competitivo. Sem contar a votação da proposta de terceirização do futebol e da ASA Alumínios marcado para o dia 08 de janeiro.

E qual o problema? De um lado, as comprovações de que Fernando Diniz é um técnico que gera frutos em médio e longo prazo. E o Guarani precisa de resultados para ontem. E que a própria diretoria já deu provas neste ano sobre a ausência de convicções sobre futebol.

Basta recordar a maneira como foi demitido o técnico Vadão e o discurso de Palmeron Mendes Filho após a goleada sofrida diante do Paraná de que sustentaria Marcelo Cabo até o final, algo desmanchado após a goleada diante do Oeste.

Se conseguir o acesso na série A-2, não tenho dúvida: Fernando Diniz fará história no Guarani, em termos de tempo e longevidade. Mas na atual conjuntura, apostar nele de olho fechado é um perigo para o treinador e o próprio clube.

(análise de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Ponte Preta é a única equipe da Série B que ainda não somou ponto como mandante

A Ponte Preta tem sofrido mais do que o normal quando atua como mandante na ...

4 Comentários

  1. O problema é que um sucesso na Série A2 (ainda) não o credencia, são competições com nível de exigência diferente. Veja o Bragantino que subiu na A2 e passou sufoco na Série C. Eu tenho meu pé atrás com ele, espero estar enganado.

  2. Eu não gosto é do Eduardo Batista como técnico !!!!!

    E você Elias ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *