sexta-feira , 20 Abril 2018
Home / Imagens / Análise Ponte Preta: a administração exemplar era ilusão de ótica?

Análise Ponte Preta: a administração exemplar era ilusão de ótica?

Não existe nada pior do que fugir da realidade. Assumir a culpa por falhas, equívocos e vacilos é um calvário. Viver um conto de fadas pode ser prazeroso no momento, mas cobra faturas pesadas quando o cotidiano impõe seu veredito.

Nos últimos três anos, a diretoria da Ponte Preta vendeu ao torcedor o discurso de que a administração era uma das melhores do Brasil. Utilizava mil e um argumentos. O site oficial vangloriava-se por prêmios administrativos e superávits aprovados pelo Conselho Deliberativo.

Eis que, no apagar das luzes da atual gestão, chega a notícia de que os salários dos funcionários estavam atrasados. Triste constatação: o sonho acabou. A realidade surge como um vulcão em chamas. E traz certezas que antes estavam descobertas.

Primeiro, o descompasso do discurso com os fatos. O futebol brasileiro tem problemas administrativos e financeiros. Fato. O Botafogo, por exemplo, precisou enxugar sua folha de pagamento em virtude de sua dívida que encontra-se para alguns na casa de R$ 1 bilhão de reais. Mesmo campeão brasileiro, o Corinthians, tem seus vacilos. Sofre para colocar as contas em dia. Fruto de um estádio com custo de quase R$ 1 bilhão. Detalhe: os dirigentes dos dois clubes nunca esconderam tais dificuldades.

Em contrapartida, a Ponte Preta queria provar que era um oásis. Uma ilha de competência em um mar cravado de mediocridade. Motivos não faltavam para acreditar. Cota de televisão de quase R$ 30 milhões, patrocínio de banco estatal, programa de Sócio Torcedor e baixo endividamento. Sim, porque é impossível ignorar que a dívida de R$ 101 milhões é destinada apenas a uma pessoa.

Os argumentos da diretoria executiva pontepretana eram na direção de que existiam dificuldades com quitação de encargos trabalhistas, impostos, obrigações contratuais entre outras tarefas. Mas tudo estava em dia. Ou, na pior das hipóteses, muito perto disso.

Agora, coloque-se no lugar do torcedor da Macaca. Ele viu no gramado um time limitado, mal treinado e sem personalidade. Viu o rebaixamento de maneira humilhante. Não se conforma com as decisões tomadas por Gustavo Bueno na gerência de futebol. Não aceita o retorno à Série B e a queda de qualidade que será inevitável. Bem ou mal, ele acreditava que pelo menos as contas estavam em dia e não existia o fantasma dos salários atrasados.

Nada disso. Funcionários da Ponte Preta sofreram com o atraso de salários. Ou seja, qualquer um poderá tomar a conclusão de que o time era mal administrado dentro e fora das quatro linhas. Não poderia existir  “presente” mais indigesto de Natal para o sofrido torcedor pontepretano.

(análise de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Cristaldo decide voltar apenas depois da Copa do Mundo e frusta planos da Ponte

O que era expectativa tornou-se pesadelo. Nesta quinta-feira, o atacante afirmou que só volta ao ...

7 Comentários

  1. Tava na cara que a AAPP nunca foi essa associação tão bem administrada. Logo cai para a Série C. Quer apostar?

  2. Essa é a realidade. Se todos os outros clubes eram incompetentes por se afundarem em dividas e a aapp estava “zerada” a mesma foi ainda pior porque nem um paulistinha ganhou.
    E agora surge que a realidade da pobre aapp é a mesma de todos os outros: endividada.
    Qual será o discurso agora? Que o messias SC vai resolver todos os problemas? Acabou a prepotência peruistica, que viveu anos tendo somente como alegrias ver o Guarani ser rebaixado ano após ano. E só.

  3. Pior é que não apenas a AAPP foi vendida como exemplo de administração, Vanderlei Pereira foi vendido como ótimo administrador e de ter deixado a casa (financeiramente) em ordem. E agora?

  4. E agora ?

    A conta chegou ????

    Valeu a venda do estádio ?

    ????????????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *