domingo , 20 janeiro 2019
Home / Destaque / A Seleção Brasileira esqueceu o futebol campineiro. Como discordar de tal atitude?

A Seleção Brasileira esqueceu o futebol campineiro. Como discordar de tal atitude?

Existe apatia nas ruas. Ninguém comenta sobre a Seleção Brasileira. Não é prioridade nos botecos, restaurantes ou locais de trabalho. Libertadores, Campeonato Brasileiro, Copa Sul-Americana ou final da Liga dos Campeões. Existem outras atrações que aguçam a atenção do torcedor. Poderia ser pior. Afinal, ainda existe uma certa empatia porque Tite foi treinador do Corinthians e muitos jogadores ainda jogavam até bem pouco tempo no futebol brasileiro.

Perceba como em Campinas o quadro é dramático. Desde 2010, não temos algum jogador com origem e crescimento no futebol de Campinas. Os últimos foram Luis Fabiano e Elano, chamados por Dunga para a Copa da África do Sul. A Seleção Brasileira é o retrato do desprezo que o futebol campineiro vive no cotidiano.

Pense que, nas Copas de 1978, 1982 e 1986, o que não faltavam eram representantes de Ponte Preta e Guarani: Oscar, Polozzi, Carlos, Juninho, JÍlio César… a lista parecia infinita. Muitos reclamaram, por exemplo, da ausência de Jorge Mendonça durante a convocação final de Telê Santana para o campeonato mundial da Espanha.

Estamos tão acostumados com a mediocridade, com a incompetência e falta de visão de nossos cartolas que qualquer um que reivindique uma porcentagem da eficiência de antigamente é tido como louco. Ou um Dom Quixote às avessas.

Nosso conformismo evita que vislumbremos nossa queda de qualidade. Revelações de padrão mediano e de terceiro escalão. Jogadores que aparecem, ficam dois campeonatos e depois vão para os gigantes. Viabilizam recursos para os cofres do clube? Concordo. Mas não há tempo de viabilizar campanhas marcantes em nível nacional.

A Seleção Brasileira esquecer Campinas é reflexo do quadro reinante nos outros três anos antes da Copa do Mundo. Somos anexos e deixamos o protagonismo. Algo detectado até por Tite, com passagem vitoriosa pelo Guarani. Que assim como a Ponte Preta já não produzem atletas do nível desejado pelo escrete canarinho. Uma pena.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Mazola coloca superação como palavra chave para vencer Oeste

O técnico da Ponte Preta, Mazola Junior, resolveu não divulgar a escalação antes do jogo ...

1 Comentário

  1. O Guarani não consegue revelar nem para Série B. É trágica a situação da base bugrina. Molecada perna de pau.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *