domingo , 20 janeiro 2019
Home / Sem categoria / Até quando o futebol campineiro não permitirá o sonho e a fantasia às crianças?

Até quando o futebol campineiro não permitirá o sonho e a fantasia às crianças?

Nesta época de natal, é comum a troca de presentes. Amigo secreto ou o homem maduro que se fantasia de papai Noel. Ou ainda as diversas ações caridosas focadas em crianças. No futebol europeu, o natal é palco de ações comoventes. Na Itália, Cristiano Ronaldo visitou uma criança em um hospital que tinha o sonho de lhe conhecer. No Liverpool, os jogadores protagonizaram uma divertida surpresa para crianças de uma escola.

A criança é o alicerce da paixão pelo futebol. É por intermédio de sua pureza e devoção que o esporte é renovado. Veste a camisa do seu time e sua mente voa e imagina peripécias ao incorporar o craque do seu coração.

A realidade deve ser vivida pelos adultos. A fantasia pelas crianças. Em Campinas, homens e mulheres distorcem a realidade para não encararem a verdade e a fantasia, o sonho, todos esses deleites fornecidos pela vida foram tirados das crianças.

Quantas crianças com camisas de Ponte Preta e Guarani você presencia  nas ruas? Quantos abraçam a paixão a ponto de se sentirem por alguns minutos donos do futebol de um André Luiz, Fumagalli,  Ricardinho, Ivan?

Vivemos um instante melancólico no futebol campineiro. Não temos esperança. Abraçamos a mediocridade como uma âncora de sobrevivência. Não queremos entender e compreender que tal cenário é consequência do fim do sonho infantil, da idealização de Ponte Preta e Guarani como oásis de alegria, de jubilo.

Vemos nossos filhos torcerem para Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, equipes européis e somos incapazes de reagir. Pelo contrário. Diante do processo aparentemente inexorável de diminuição do futebol campineiro ficamos reféns de vídeos do you tube. Estamos presos a época de ouro. “Eu era feliz e sabia. Azar de quem nunca mais será”. É a mensagem da mente individualista e sem sentido reinante em torcida, imprensa e dirigentes. Tudo acaba. Lentamente.

E a crianças? Essas ficam desesperadas em sonhar. É da vida. Querem algo para recordar na vida adulta. Não temos nada a oferecer. Nem nos esforçamos para tal. Que no próximo natal, Guarani e Ponte Preta produzam sorrisos em milhares de crianças. Será um sinal de que nem tudo está perdido.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Por que muitos torcedores pontepretanos construíram memória afetiva em relação ao ex-dirigente Marco Antonio Eberlim?

A informação divulgada a respeito de um papo entre o ex-vice-presidente de futebol, Marco Antonio ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *