quarta-feira , 18 julho 2018
Home / Destaque / Guarani esclarece episódio de confusão entre torcedor e PM no Brinco de Ouro

Guarani esclarece episódio de confusão entre torcedor e PM no Brinco de Ouro

O Guarani, em nota oficial divulgada à imprensa, deu a sua versão a respeito da confusão que se instalou nas adjacências do Brinco de Ouro da Princesa, na noite da última segunda-feira, antes da partida com o Coritiba.

Na ocasião, um torcedor bugrino foi agredido por policiais militares no acesso ao estádio. O caso foi registrado no 1º Distrito Policial como lesão corporal e resistência.

No boletim de ocorrência, a versão da Polícia Militar é de que a equipe era responsável pela revista dos torcedores que acessariam o tobogã e que o indivíduo teria tentado entrar com uma lata de cerveja. O documento oficial ainda cita, sob a ótica policial, que ele foi barrado e deu socos em um dos profissionais, “sendo necessário uso de força moderada, com cassetete e algemas para contê-lo”.

Por outro lado, o torcedor alega às autoridades que terminaria de beber antes de começar o confronto. Posteriormente, foi levado ao Hospital Mário Gatti para iniciar recuperação.

CONFIRA O COMUNICADO:

“O Guarani Futebol Clube esclarece que não compactua com nenhum tipo de violência, inclusive por parte de Policiais Militares. Estamos buscando imagens e iremos encaminhar um ofício para o comando da Polícia Militar, responsável pelo policiamento do jogo diante do Coritiba, realizado na última segunda-feira, no Brinco de Ouro, cobrando explicações e buscando que atos similares não voltem a acontecer.

Em relação à suposta “salinha” – retratada por um torcedor em reportagem à EPTV -, esclarecemos que, durante as partidas, o Guarani cede o espaço para utilização da Polícia Militar, a única responsável pelos fatos que lá supostamente possam ter ocorrido. Da mesma forma enviaremos cópia do ofício aos responsáveis pela FPF e CBF.

Por fim, entendemos que o torcedor poderá buscar a responsabilização individual junto à corregedoria da PM. Mas que esta iniciativa, por direito Constitucional, cabe ao próprio torcedor”.

Veja Também

Matheus Oliveira faz segundo gol como profissional e consolida boa fase no Guarani

Balançar as redes não é, definitivamente, uma das principais qualidades de Matheus Oliveira. O gol ...

3 Comentários

  1. eu acho que o cara não deve ter tratado muito bem os policiais , mas também acho que não precisava bater no cara , existe outras formas de se conduzir um episodio deste

  2. Por conta dessas coisas que nunca mais vou a um estádio

  3. Eu vi . Tinha passado pela revista policial e estava indo para a fila de entrada quando uma mulher começou a gritar desesperadamente . Era a esposa do torcedor agredido . Ele
    Estava caindo no chão pelos golpes que recebeu , e ficou no chão deitado. Bateram nele sem parar por pelo
    Menos uns 15 segundos . Com ele deitado no chão! Injustificável o que a polícia fez. Infelizmente a polícia não está lá para proteger o cidadão mas sim para afugenta lo, fazer com que ele não queira voltar.. a polícia tem que enxergar que a violência praticada não é apenas com o agredido mas sim com todos os presentes. Estava com meu filho pequeno . Seu primeiro jogo. Como explicar que os policiais que batiam em uma pessoa no chão eram o “ mocinhos”? Impossível

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *