terça-feira , 16 outubro 2018
Home / Destaque / Guarani: uma vitória redentora mas que não esconde a necessidade de correções urgentes

Guarani: uma vitória redentora mas que não esconde a necessidade de correções urgentes

A vitoria do Guarani sobre o CSA pode ser traduzida como sinônimo de alivio. Para o técnico Umberto Louzer, torcedores, jogadores e dirigentes. Chegar aos 13 pontos e fixar-se na zona intermediária da classificação dará folego necessário para buscar peças de reposição que reconduzam o alviverde ao rol de pretendentes a uma boa campanha. O quadro não esconde, no entanto, dois fatos que não podem ser ignorados, apesar do desconforto.

O primeiro é que um lance mudou tudo. O zagueiro Xandão vacilou, Bruno Mendes disparou na direção do gol e, na ânsia de defender o goleiro Cajuru, torceu o joelho. O seu substituto Mota foi a insegurança em pessoa. Os dois gols bugrinos foram consequência deste mar de trapalhadas.

EquÍvocos impossíveis de camuflar as deficiências táticas. A primeira é referente ao setor ofensivo. Umberto Louzer buscou uma equipe compacta e capaz de impedir os avanços do time alagoano, especialmente de Didira e Niltinho. Plano frustrado.

Nem tanto pelo posicionamento, e sim porque o contra-ataque não foi armado, tanto pelos laterais Kevin e Pará, como pelos armadores Rafael Longuine e Guilherme.

Apesar de atuar fora de casa, em nenhum dos gols vimos um Guarani capaz de puxar os contra-ataques talhados. Pelo contrário. Toque de bola moroso, mudança de posição e a colocação pelos lados dava a chance do time alagoano posicionar-se. Sorte do Guarani que o goleiro estava em dia “inspirado”.

Ao chegar no estádio Brinco de Ouro, seria de bom tom a comissão técnica reunir-se com os responsáveis pelo departamento de futebol e recordar uma pequena história ocorrida em 2017.

Nela, um treinador tarimbado chamado Vadão ajeitou a equipe apesar da limitação do elenco e apostou tudo na velocidade de Bruno Nazário e de Braian Samudio. Um belo dia, Samudio deu adeus, Vadão ficou sem sua peça de velocidade, o time virou de ponta a cabeça e o rebaixamento quase virou realidade.

A vitória e os três pontos conquistados não podem adiar a necessidade de urgente de encontrar mais jogadores de velocidade além de Nazário, Erik e Kauê. Ninguém quer passar a reta do final do ano com a calculadora no bolso. Só se for para pensar em divisão de elite.

(análise de autoria de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Promover caças às bruxas no Guarani só vai piorar aquilo que já não está legal

Perder do Avaí e ver a diferença para o quarto colocado subir para cinco pontos ...

1 Comentário

  1. Ótima análise. Indiscutível. Boa lembrança da saída do Samúdio (e Auremir) e consequente queda de produção, no ano passado. Um jogador de velocidade faz falta. Lembro-me do Fabinho, em 2009 e 2012. Era um jogador imprescindível para o time, um verdadeiro desafogo na hora do aperto. Infernizava as zagas adversárias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *