Hélio dos Anjos explica o que pensa sobre o desempenho de Fabrício e o gol tomado contra o Bahia

0
406 views

Desde que Fabricio começou a ser intensamente cobrado por seus erros na Ponte Preta, sempre nutri a desconfiança de que era um atleta que gozava de forte credibilidade perante o técnico Hélio dos Anjos e da própria Comissão Técnica. O que de certa forma combina com a visão e o estilo de trabalho do presidente Marco Antônio Eberlin. Contar com jogadores experientes na zaga é um pressuposto na qual acredita o presidente da Macaca. Foi com tal convicção em mente que ele apostou em Dedé.

Afinal, o que segura Fabrício? Como entender a sua permanência no time titular após os erros cometidos diante de Novorizontino e Bahia?

 Aviso importante: não ficaria espantado caso Douglas Mendes seja escalado para o confronto de amanhã diante da Chapecoense. Ou a promoção do retorno de Fábio Sanches. Mas não por causa do potencial técnico do jovem beque e sim porque é preciso preservar um jogador experiente e que pode render frutos lá na frente.

Outro aviso: coloco tais conceitos em cima daquilo que acredito ser o ideário da comissão técnica, ok!?

Na entrevista coletiva realizada na tarde de hoje, Hélio dos Anjos deu mais uma pista de que, para ele, Fabrício é um jogador importante. Vejamos: na mesma entrevista ele indiretamente deu um puxão de orelhas em Danilo Gomes pelo cartão amarelo sofrido.

Mas quando foi perguntado diretamente sobre as falhas de Fabrício, a busca pela preservação do atleta ficou nítida. “Todas as situações dentro do meu time quem decide sou eu. Eu não posso ficar preocupado com a cobrança, a crítica, e não posso me empolgar com o elogio. O segundo gol foi um erro de conjunto, um erro tático. As pessoas olham muito para o final da jogada. Após o erro da linha defensiva nós tivemos chance de definir a jogada defensivamente e não conseguimos. Nós tivemos um erro de movimentação, um erro nas ações que culminaram com o gol”, afirmou o treinador.

Logo em seguida, Hélio dos Anjos citou nominalmente o zagueiro. “O Fabrício por ser um defensor ele participou da jogada. Tivemos defensores e não defensores que participaram do erro. Não sou de direcionar uma situação individual em erros de gols tomados. A responsabilidade é do treinador. Não existe erro individual, existe a responsabilidade de quem colocou o jogador”, analisou o técnico.

Recado claro: Fabrício pode até perder a posição de titular em breve, mas está integrado ao trabalho.

(Elias Aredes Junior-foto de Felipe Oliveira-Esporte Clube Bahia)