domingo , 16 dezembro 2018
Home / Destaque / Mesmo longe do G4, Hyuri cobra acesso da Ponte: “Ficar na Série B será um acidente”

Mesmo longe do G4, Hyuri cobra acesso da Ponte: “Ficar na Série B será um acidente”

A distância de sete pontos em relação ao pelotão de frente não desmotiva Hyuri. Um dos atletas mais experientes do plantel, o atacante exige, a qualquer custo, o acesso da Ponte Preta na Série B do Campeonato Brasileiro.

“Se permanecer na segunda divisão, será um acidente, porque não é esse o nosso objetivo. É super difícil e acho legal a gente ser realista pois não depende só de nós. Estamos em uma posição ruim e precisamos voltar à briga pelo G4. Estamos distantes, mas não podemos jogar a toalha”, declarou.

O jogador de 26 anos ainda lamentou a queda de rendimento no segundo turno, em jejum há seis partidas, e a troca no comando técnico, o que, naturalmente, causa mudança de filosofia dentro do elenco. “Teria sido muito mais fácil se não tivesse tido a troca de treinador. É ruim você estar fora e ver as coisas não dando certo. O Chamusca é um cara que conheço e super apoio, mas sempre a mudança gera uma turbulência no grupo, ainda mais na falta de vitórias”, analisou.

Hyuri volta a ser relacionado na Macaca depois de quase um mês, após ter tido lesão muscular no dérbi com o Guarani, ainda em 25 de agosto. Embora tenha sido liberado pelo Departamento Médico, começa o duelo contra o Goiás no banco de reservas. “Eu me sinto um pouco cansado dentro dos trabalhos. Percebo que perdi um pouco do ritmo, mas tenho condições de ajudar. O adversário é fortíssimo e briga pelo título. Eles vão vir para cima, estão jogando em casa e vem de uma sequência boa. Precisamos ser muito cautelosos, inteligentes e cirúrgicos para segurar a pressão e aproveitar as oportunidades no ataque”, indicou.

Curiosamente, no período em que esteve fora, a Alvinegra só conseguiu balançar as redes uma única vez, com Danilo Barcelos, em cobrança de pênalti, no empate com o Vila Nova. O último gol marcado por um atacante no elenco saiu justamente dos pés de Hyuri, na goleada sobre o Paysandu.

“Eu ter sido o último atacante a fazer gol é mera coincidência, pois poderia ter sido qualquer outro. O nosso elenco é qualificado para isso. Pecamos nos detalhes e nos últimos passes. É até complicado falar, não sou o super-herói da Ponte, mas vou entrar focado em trazer o resultado para gente”, encerrou.

Clique aqui e veja as mudanças da Alvinegra para o duelo em Goiânia.

(texto e reportagem: Lucas Rossafa)

Veja Também

Uma pergunta que não quer calar: Abdalla administra para Ponte Preta ou Vanderlei Pereira? Entenda os motivos.

Na atual temporada, a Ponte Preta viveu um constante terremoto político. Sérgio Carnielli entrou em ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *