domingo , 23 setembro 2018
Home / Destaque / O que esperar do Guarani na Série B do Brasileirão?

O que esperar do Guarani na Série B do Brasileirão?

O Guarani é o campeão da Série A-2 do Campeonato Paulista e o tempo de comemoração é curto, quase inexistente. Nesta semana, começa a Série B do Campeonato Brasileiro e o torcedor tem a dúvida na mente: o que esperar do Alviverde na competição?

Graças ao trabalho de Umberto Louzer no banco de reservas, de Luciano Dias na coordenação de futebol e da rigidez da Justiça Trabalhista em exigir o pagamento em dia dos salários e das obrigações trabalhistas, a perspectiva é mais positiva do que em anos anteriores.

Calma! Não é hora para cravar o Guarani como candidato ao acesso. Longe disso. Só que viver a tempestade do ano passado está bem longe do horizonte. Ou seja, uma posição na zona intermediária da classificação não é devaneio.

Em primeiro lugar porque a desconfiança de anos anteriores deu lugar a um otimismo moderado. Vencer a Série A-2, sustentar uma base no time titular e assegurar a manutenção de alguns atletas é um bom inicio de trabalho e pode abrir caminho para somar pontos que sejam necessários para encurtar o caminho da manutenção e posteriormente de sonhar com pontos mais altos da classificação.

Há desafios para transformar por completo esta realidade. Não digo no time titular, e sim no banco de reservas. É preciso contratar de seis a sete jogadores com boa capacidade técnica e que possam suprir possíveis ausências dos titulares. Em 18 jogos, é possível viabilizar uma boa campanha só com bons titulares; na Série B tal cenário é impossível. Suspensões, contusões, queda de rendimento (o que é normal em uma competição longa) fazem com que o banco de reservas seja um participante ativo. Hoje, na prática, o Guarani tem apenas Caíque como atacante de qualidade e que pode ser acionado a qualquer momento. Ou Denner para o meio-campo.

De resto, não existem saídas táticas para Louzer, algo que também será buscado por concorrentes de peso como Figueirense, Avaí, Londrina, Coritiba, Goiás, Vila Nova, Atlético-GO, entre outros.

O desespero não é ativo no Brinco de Ouro. Pelo contrário. Ajustes podem viabilizar um time mais competitivo e o time ficar longe do sufoco vivido no ano passado. Convenhamos: não é pouco.

(artigo escrito por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Pé calibrado: Pela direita, Kevin se isola no ranking de assistências do Guarani

A lateral é a principal válvula de escape para o sistema ofensivo do Guarani. É ...

3 Comentários

  1. Boa tarde , concordo com você Elias , mas acho que não é só o banco que tem ser qualificado . O banco com toda certeza mas creio que há também necessidade de qualificar mais um pouco o time titular , mesmo que não perca nenhuma peça , penso que precisamos pelo menos de um zagueiro e um lateral esquerdo chegando pra ser titular . Dai , se realmente não perder ninguém , começa o campeonato e vamos avaliando se é suficiente .
    Abraço ,
    Cesar

  2. Realmente acredito que a AAPP vai lutar pelo acesso. Junto com o Guarani. Mas espero que o Bugre alcance o acesso e que a AAPP termine na quinta colocação!

  3. Se houver contratações pontuais: 3 zagueiros para disputar a titularidade (um está vindo), um lateral esquerdo para disputar posição com o Marcílio, um volante com mobilidade para ser reserva do Ricardinho, 2 meias ofensivos (um já chegou) e 3 atacantes (um já chegou e outro está praticamente contratado), além da manutenção da maioria dos titulares (o que não será fácil), o Guarani fará uma boa série B, sem correr risco de rebaixamento como foi no ano passado.

    O Guarani, bem estruturado, com um elenco fortalecido (tivemos poucas opções no banco), com a comissão técnica mantida, pode sim fazer um bom campeonato e até surpreender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *