sexta-feira , 21 setembro 2018
Home / Destaque / Ponte Preta forma legião estrangeira de zagueiros. Quando as categorias de base darão conta do recado?

Ponte Preta forma legião estrangeira de zagueiros. Quando as categorias de base darão conta do recado?

A Ponte Preta inicia sua preparação para o confronto de sábado diante do Capivariano e sabe que tem um desafio pela frente, a de encontrar uma dupla de zaga confiável, estável e capaz de ir atrás dos atacantes adversários. A dura constatação é que o lamento destilado pela torcida após a saída de Renato Chaves ficou embasado na realidade, apesar do esforço dos atuais titulares, Douglas Grolli e Fábio Ferreira.

Douglas Grolli, Fábio Ferreira, Wellington, Tiago Alves e Ferron  não encontraram o tom adequado. Algo que preocupa especialmente porque o Brasileirão bate á porta. Não, não serei louco de reinvidicar uma loucura financeira para viabilizar a aquisição de beques. Apesar de que esta seria uma função das categorias de base.

Opa! Perceba: como a Ponte Preta não consegue revelar um beque capaz de sustentar uma produtividade condizente com as exigências do futebol atual? Como a diretoria pode achar normal estarmos em pleno 2016, e a Macaca, bicampeã da Copa São Paulo de futebol Junior e não conseguir revelar um novo Oscar, um novo Juninho.

Em determinado ocasião, ao conversar com jornalistas, o ex-goleiro são paulino Rogério Ceni disse que qualquer clube tinha a função de revelar zagueiros e volantes. A justificativa é o fato dos jogadores podem aprender macetes da posição e sem necessidade de contarem com um talento nato. Claro, se existir tudo bem. Mas não é natural.

Então pense: se a revelação das categorias de base é tarefa obrigatória, como a Macaca conta com cinco “estrangeiros”? Talvez uma das explicações é que nos últimos anos, a diretoria de futebol da Alvinegra ficou receosa em revelar atletas de diversas posições. Não é de duvidar que alguns zagueiros tenham sido perdidos no caminho. Para inverter o quadro o processo é de longo prazo. Se começar agora uma inflexão só em quatro ou cinco anos é que a Alvinegra deverá contar com beques formados em suas fileiras. É preciso dar o primeiro passo. Que a diretoria pontepretana acorde e faça o óbvio.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Clássicos fazem festa pelo Brasil. Em Campinas, dérbis com paz de cemitério. Até quando?

Assisto aos clássicos do Campeonato Brasileiro. O Internacional ganha do Grêmio por 1 a 0 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *