sexta-feira , 26 maio 2017
Home / Destaque / Por que Vadão é querido no Guarani? Por que Gilson Kleina é amado por muitos na Ponte Preta?

Por que Vadão é querido no Guarani? Por que Gilson Kleina é amado por muitos na Ponte Preta?

Dois jogos, duas vitórias. Ambas na casa do adversário. Guarani e Ponte Preta começaram com o pé direito as gestões de Osvaldo Alvarez e de Gilson Kleina no banco de reservas.

Profissionais que recebem criticas por motivos distintos. Os detratores de Vadão lhe consideram um profissional ultrapassado, retranqueiro e focado apenas na parte emocional. Tem cinco passagens no Brinco de Ouro e não tem títulos. O máximo são os vices campeonatos na Série B em 2009 e do Campeonato Paulista de 2012. Pela lógica, não deveria receber um carinho sequer parecido com Zé Duarte ou Carlos Alberto Silva.

Gilson Kleina não fica atrás na luta contra os opositores. Não desembarcou antes por força de várias alas contrárias na torcida e diretoria. Seu esquema com três volantes, a ênfase no poder de marcação e a  preferência pela utilização de um atacante de referência não tem adeptos apaixonados. Sem contar que desde a sua saída da Ponte Preta, o máximo que conseguiu foi um titulo de Série B com o Palmeiras em 2013. Que passou para a posteridade como pura obrigação.

Com tantos defeitos enumerados para um e outro profissional, o que encanta em Vadão e Gilson Kleina? Por que eles são capazes de desanuviarem o ambiente com um toque de mágica? Qual o segredo?

Simples como água: porque ambos tratam o interlocutor como seres humanos, que merecem respeito e consideração, um carinho e uma deferência que encanta e traz frutos nestes tempos.

Vivemos uma era de ódio. Ódio pelo semelhante e a pregação de discurso de violência sem medir as consequências. O futebol não é imune a isto.

Repórteres no seu dia a dia, seja no Majestoso ou no Brinco de Ouro, são tratados de modo inadequado por alguns dirigentes. Consideram que eles, os dirigentes, são detentores da razão e que não devem prestar contas aos repórteres e a opinião pública. O sumiço é a estratégia preferida. Exemplo prático: Vanderlei Pereira só dá entrevista quando é empurrado pelos acontecimentos e no Guarani, a crise gerada pelas saídas de Ney da Matta e Maurício Barbieri gerou um silêncio inexplicável em Marcus Vinícius Beck Lima. Queiram ou não, tal atitude arrebenta o relacionamento diário com os repórteres. Que no final das contas são trabalhadores do setor de comunicação.

Mais: as redes sociais se transformaram em terra de destruição de reputação e de relacionamentos. Elogiar ou criticar a diretoria, jogadores ou técnico virou motivo de insulto e de reações desmedidas, fora de qualquer padrão. O que justifica você criticar ou elogiar A ou B receber em troca, ao invés de um argumento, uma avaliação de que é um “retardado” ou “inútil”? Nada justifica.

Mas eis que aparecem dois profissionais em  um esporte de ambiente inóspito como o futebol e além de trabalharem de maneira honesta encaram as críticas de modo sereno; tratam repórteres e profissionais do clube no cotidiano com dignidade, educação e deferência; escutam argumentos com atenção e mesmo se ocorre a discordância, tudo é feito em alto nível, sem agressões verbais. Ou seja, Gilson Kleina e Osvaldo Alvarez não se portam como deuses portadores da arrogância e sim como seres humanos.

Vão errar? Sim. E muito. Serão submetidos a roda viva do futebol. São mocinhos hoje e podem virar vilões amanhã. Podem ser jogados no tribunal da internet, que condena sem ouvir a defesa. Independente disso, dá para cravar: o futebol campineiro está servido de gente que vive o futebol mas respeita o semelhante. Não é pouco.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

grafite

Diretoria da Ponte Preta despista sobre interesse em Grafite

Sonho antigo da Ponte Preta, o atacante Grafite está insatisfeito no Atlético-PR e pode ser ...

2 Comentários

  1. Parabéns por elogiar o que merece ser elogiado.

  2. Pontepretano Racional

    Penso o seguinte, comissão tecnica e dirigente de clube não tem OBRIGAÇÃO de bajular reporte independente do veiculo de comunicação que ele trabalhe.
    Eles tem OBRIGAÇÃO de chegar no horário de trabalho, de se entregarem com muita dedicação as suas atividades e por ai vai. Como todos nós em nossos trabalhos.
    A imprensa -assim como toda profissão – tem bons e maus profissionais. Tem os que plantam historias inventadas, os que tentam tumultuar o ambiente, os que protegem os amigos, os que prestam favores a diretores, enfim, gente ruim tem em todo lugar assim como gente boa.
    Onde eu quero chegar? Se a ponte contratar um babaca como o Jose Mourinho mas que ganhar titulos como ele ganha por onde passa esta otimo! Se contratar digente louco como o Kalil e ganhar titulos ótimo!
    Penso que o papel da imprensa é buscar informações verdadeiras e trazer ao grande publico. Se fizer isso de forma fácil e agradável e extrair as informações que necessita excelente! Se não, bola pra frente! Consiga as informações que conseguir e publique a matéria!
    Todos nós em nossos trabalhos tão gostariamos de ter muito mais facilidades que temos e que houvesse pessoas cada vez mais preocupadas com nosso oficio. Mas o mundo o mundo de uma maneira geral nao é esse melzinho na chupeta. Então, mãos a obra e temos que desempenhar nossa função da melhor forma possivel sem nos deixar contaminar com nossas frustrações pessoais com fulano ou ciclano que poderia ter nos ajudado mas não ajudou!
    Conclusão, Vadão e Kleina são bonzinhos com a imprensa? Legal! Não da pra ser ingenuo e achar que isso não importa pra eles também. Pois eeles sendo legalzinho com a imprensa quando forem levar porrada ela é mais leve…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *