quarta-feira , 18 julho 2018
Home / Destaque / Um pedido público de desculpas para João Dermival Brigatti, técnico da Associação Atlética Ponte Preta

Um pedido público de desculpas para João Dermival Brigatti, técnico da Associação Atlética Ponte Preta

Diversas vezes fui alertado sobre a necessidade de adotar uma postura mais distante nas análises. Que de certa maneira escondesse minha humanidade, falhas e exageros. Não consigo. O jornalismo esportivo é parte da minha vida. Ponte Preta e Guarani é parte integrante do meu DNA e personalidades. E alguns procedimentos eu faço sim. Sem temer ser piegas, sem noção. Faço para ficar em paz de espírito. E saber que fiz a coisa certa.

Quando presenciei a vitória da Ponte Preta, domingo, no Majestoso, diante do Fortaleza, por 2 a 0, eu só tinha algo em mente. Nada de análises, conjecturas ou formulação de estudos rebuscado. O meu dever como jornalista profissional e ser humano que sou era encaminhar um pedido público de desculpas ao treinador João Dermival Brigatti, 54 anos, treinador da Ponte Preta.

Sim, eu já lhe critiquei. Por diversas vezes. E com merecimento. Mas reconheço que hoje poderia ter abordado a questão de outra forma ou maneira. Não para passar pano ou querer sua amizade. Sinceramente, não me interessa. Podemos e devemos nos relacionar de modo maduro no futebol sem esperar em troca amizades, sorrisos e reconhecimentos. Reconheço que errei ao passar do ponto ao de certa forma ferir involuntariamente a sua dignidade enquanto profissional.

Aconteceu porque no fundo somos duas pessoas com perfis parecidos. Ele apaixonado pela Ponte Preta e mesmo com o desejo de querer o melhor para sua trajetória profissional, por vezes, troca os pés pelas mãos. Assim como fiz tal procedimento por diversas vezes. Porque entendo o jornalismo esportivo como sacerdócio para lutar por um futebol campineiro melhor. Somos humanos. Falhos.

Sim, eu sei que o entorno dele me pinta como um demônio. Funcionários da Ponte Preta e parentes. Alguns até usaram as redes sociais para celebrar o meu sofrimento. Isso não importa. Pouco interessa. O que importa é que a Ponte Preta está entregue a um profissional que ainda não tenha o preparo refinado de outros profissionais, é um cara que ama a instituição.

Neste instante o fato é que a diretoria da Ponte Preta deveria tomar duas providências. A primeira é a de efetivar Brigatti, comprovadamente com bom trabalho, com bom entrosamento com os atletas e que jamais reclamou da parca qualidade do grupo. Também a Macaca deveria contratar um profissional de psicanálise. Motivo? Simples: para que ele encontre formas de canalizar ainda mais o seu amor e devoção pela Ponte Preta para um rendimento profissional satisfatório. E isso não é querer chamar de louco ou coisa parecida. É fazer com que ele utilize o conhecimento humano para saber lidar ainda melhor com sua principal matéria-prima, seres humanos com sonhos, frustrações e personalidades distintas.

Da minha parte, não abrirei mão de apontar os erros e falhas de seu trabalho. É minha função. Mas sempre terei em conta que do outro lado existe um ser humano legal e especial, conforme o testemunho que já recebi de amigos próximos e profissionais de imprensa.

Para o bem da Macaca, que você, João Brigatti, chegue longe na Série B. E que aceite minhas desculpas pelas vezes em que excedi. Que Deus abençoe você e a Ponte Preta.

(texto de autoria de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Matheus Oliveira faz segundo gol como profissional e consolida boa fase no Guarani

Balançar as redes não é, definitivamente, uma das principais qualidades de Matheus Oliveira. O gol ...

1 Comentário

  1. Meus parabens Elias pela humildade sinceridade e nobresa !
    Obrigado pelo exemplo todos podemos voltar atras e reconhecermos nossos erros.