terça-feira , 16 outubro 2018
Home / Destaque / 118 anos de Ponte Preta: Os laterais-esquerdos alvinegros nos últimos 40 anos

118 anos de Ponte Preta: Os laterais-esquerdos alvinegros nos últimos 40 anos

Em alusão ao 118º aniversário da Associação Atlética Ponte Preta, equipe de futebol mais antigo do país, a reportagem do Só Dérbi revirou os arquivos e, neste terceiro capítulo de reportagens especiais, traz os nomes de laterais-esquerdos revelados nas categorias de base.

O levantamento aborda os últimos 40 anos da instituição, haja vista ter passado toda a década de 60 na segunda divisão. Até que em 1969, um time de jovens formados no próprio clube, levou a Macaca a um dos principais títulos da era profissional, o da Série A2 do Campeonato Paulista.

No ano seguinte, com a mesma base, conquistou o vice-campeonato estadual e foi o único do interior paulista a disputar o Troféu Roberto Gomes Pedrosa, em outras palavras, o Campeonato Brasileiro da época.

LATERAIS-ESQUERDOS:

Luizinho: 1969

Paulo César: campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 1981

Ricardo Almeida: 1990

Branco: jogou na Ponte entre 1991 e 1995. Integrava o time que foi campeão paulista de aspirantes em 1991

Carlinhos: campeão da Copa São Paulo em 1981. Em 1984, foi emprestado ao Mogi Mirim e voltou em 1988. Foi o único que atuou em todas as 34 partidas do acesso da Ponte em 1989 para o Paulistão. Atualmente, é engenheiro civil em Paulínia. A grande curiosidade é que Carlinhos foi guardinha da instituição entre 1977 e 1978

Galvão: apareceu em 2009 e fez poucos jogos. Hoje está no FC Ingolstadt (ALE)

Allan: levou uma cotovelada com dois minutos de jogo de Ruy Cabeção em um dérbi de 2003 no Brinco de Ouro e foi levado para a Beneficência Portuguesa onde teve que fazer um reparo facial. Esse clássico foi marcado pelos três gols do atacante argentino Gigena: vitória por 3 a 1

Clique aqui e veja o capítulo anterior.

Veja Também

A areia movediça da mediocridade vai matar o futebol campineiro

“Saía do futebol e faça outra coisa no jornalismo. O povo gosta é de comentário ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *