domingo , 24 setembro 2017
Home / Destaque / A pergunta de um milhão de dólares: quem é o presidente do Guarani?

A pergunta de um milhão de dólares: quem é o presidente do Guarani?

O poder é sedutor. Atrai ambição e orgulho. Produz reconhecimento na sociedade. Imagine quando você mexe com as emoções de milhares de pessoas. O futebol é assim. Ser presidente de clube tem uma projeção até maior do que muitos cargos políticos. O conceito serve para clubes normais. O Guarani anda na contramão. Explode na cara do torcedor a pergunta: quem é o presidente?

A história é esquisita. Ou exótica. Palmeron Mendes Filho foi eleito integrante do Conselho de Administração e também presidente. Recebeu a responsabilidade de um mandato de três anos. Aclamação realizada, a medida natural e salutar era o encaminhamento da ata da assembleia para registro em cartório. Nada disso. Dias transcorreram e por enquanto não se tem noticia do procedimento.

Automaticamente, Horley Senna continua como presidente do Guarani. Assegurado até por medida liminar. Uma segurança que lhe permitiu atropelar a tudo e todos e assinar o contrato do volante Richarlyson. Fica a pergunta: esta situação será eterna? Horley Senna atravessará a Série B no comando do Alviverde sob o ponto de vista legal?

Se a ata for registrada e Palmeron assumir de fato e de direito alguns problemas já foram gerados por causa deste duplo comando. Este jornalista apurou que o centroavante Ricardo Bueno estava acordado com o Alviverde. Inclusive teria aceitado as bases salariais do clube.

O documento teria sido enviado ao novo presidente que não deu retorno sobre se autorizava ou não a operação. Resultado: o atleta e seu empresário- o ex-volante Marcelinho Paulista – perderam a paciência e fecharam com o Santa Cruz.

Em um mundo ideal, o futebol brasileiro contaria com clubes democráticos, profissionais, com alto grau de planejamento e presidentes capazes de delegar tarefas. Nada disso é realidade, muito menos no Guarani, que depende de uma pessoa centralizadora para tocar o dia a dia da agremiação. Infelizmente.

Foi assim com Leonel Martins de Oliveira, Marcelo Mingone, Álvaro Negrão e com Horley Senna. Será dessa maneira com Palmeron Mendes Filho. Um comandante responsável por definir o treinador, gerente de futebol, verba para contratações, acompanhamento da infra-estrutura disponível aos profissionais e categorias, entre outros requisitos.

É pesado? Desgasta? Arrebenta com a vida pessoal? A resposta é sim para todas as perguntas. Tomara que Palmeron saiba medir as consequências e encarne de corpo e alma o desafio. Para o bem do Guarani, sem força para suportar uma nova crise política.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

marcelocabo

Cabo mantém sistema tático, mas promove seis mudanças na equipe titular do Guarani

O técnico Marcelo Cabo cogitou, mas refutou em um primeiro momento a utilização do esquema ...

3 Comentários

  1. A PERGUNTA DE UM MILHÃO DE DÓLARES: QUAL O VALOR DA DÍVIDA DA p.p. COM O SEU MANDATÁRIO ?

    Valor atualizado e contabilizado ?

    Elias você poderia fazer uma matéria sobre o assunto ??????

    Elias qual o seu time de coração em Campinas ?

  2. Quem está tentando plantar a crise política no Brinco de Ouro é parte da imprensa campineira !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Com matérias tendenciosas !!!!!

  3. Eu sou um que critica muito aqui, mas acho que o Elias tem razão nesta questão. Principalmente pq o Horley respondeu ao “presidente” da AAPP como sendo preposto, e agora, ele é o que? Palmeron virou o preposto? Está estranho isto, e precisa-se jogar luz neste assunto pq é assunto que interessa muito ao Guarani!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *