segunda-feira , 25 março 2019
Home / Destaque / Benedito, Milton e Victor. Pontepretanos do barulho e que incendiavam o dérbi no Jd Amazonas

Benedito, Milton e Victor. Pontepretanos do barulho e que incendiavam o dérbi no Jd Amazonas

Nas décadas de 1980 e 1990, o Jardim Amazonas era um microcosmo de Campinas. Bairro emergente, com boa qualidade de vida, comunidade atuante, comércio com opções, alternativas em educação (lembram da Patotinha???) e garotos ávidos por futebol. Dezenas. Centenas. E o senhores aposentados prontos para debater e discutir futebol a qualquer hora e minuto. Ponte Preta, Guarani, Dicá, Jorge Mendonça…Cardápio infinito!

Quando a Ponte Preta vencia um clássico, a rua Itagiba virava território proibido aos torcedores bugrinos. E tudo por causa de um trio. Victor com a bola no pé e Benedito e Milton em cada lado da rua.

Durante a semana, batiam papo animadamente. Quando a Macaca somava dois ou três pontos, o alvo preferencial era a garotada bugrina que precisava ir a escola. A zueira fazia todo mundo suar frio. Sabia que a brincadeira, a tiração de sarro seria fatal. Os garotos bugrinos não tinham coragem em rebater. Primeiro por respeito aos cabelos brancos dos torcedores da Macaca; Depois, porque a fala mansa, os argumentos na ponta da língua desmontavam.

Para completar, Victor. Hoje deve ter 43 ou 44 anos. Pontepretano doente. Herança do pai Benedito. E com adendo: belíssimo jogador. Rápido, forte para sua idade e com faro de gol, foi uma espécie de craque da rua Itagiba. Tanto que por dois ou três anos, um vizinho à minha casa, Dirceu, desempenhou o papel de sheik  catariano do Paris Saint Germain. Jogava bola no meio da garotada e a escalação seria a mais curta de qualquer transmissão esportiva: “Só eu Victor e Dalton contra a rapa”. Esse time informal, a rapa, geralmente tinha de 10 a 12 jogadores. A maioria bugrinos. Lotavam a rua. O senhor Dirceu geralmente vencia. Victor era o craque. Talvez porque o garoto queria reviver o que assistia aos domingos no Majestoso.

Pois é. Futebol puro e verdadeiro não é extensão de rede social, violência, troca de ofensas e outros requisitos nada lisonjeiros. O sentido real está nas piadas  do seu Benedito, do senhor Milton ou nas traquinagens e habilidades do Vitão. Eles é que fazem o dérbi  ser um jogo que ultrapassa todas as fronteiras. É, antes de tudo, uma usina de sonhos.

(artigo de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Ponte Preta gera otimismo no seu torcedor. Só que precisa melhorar (e muito!) para suportar a carga da Série B!

Para quem pensa o futebol em médio e longo prazo, o Campeonato Paulista trouxe boas ...

1 Comentário

  1. Elias blz, esqueceu de comentar que o jardim Amazonas e o bairro mais bugrino de Campinas. E dos derbis entre moradores do bairro no clube do cecojam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *