Demitir Osmar Loss após o dérbi exime o Conselho de Administração de culpa pelo fracasso? Não!

0
454 views

Refleti e antes de emitir uma conclusão final consultei gente que trabalhou ou atua no mundo da bola.

Na entrevista coletiva dos vitoriosos, Jorginho teve idêntica percepção. Se a torcida bugrina ficou aliviada pela demissão de Osmar Loss, o gesto adotado pelo presidente Palmeron Mendes Filho ao lado Superintendente de Futebol, Fumagalli, demonstra que o Guarani conta com um Conselho de Administração acuado e com receio do torcedor.

Pergunte aos dirigentes, da atualidade ou do passado e a receita dada será a mesma. O treinador vai  a entrevista coletiva, concede suas explicações e na segunda-feira, com a cabeça fria, realiza-se uma reunião para bater o martelo e demitir o profissional. Decisões precipitadas, após a partida, só se justificam em reta final de campeonato e com a equipe á beira do rebaixamento. Não era o caso do Guarani. Longe, bem longe disso.

Porque Palmeron não adotou o protocolo? Simples: para entregar logo o que deseja a torcida e de certa forma eximir-se de culpa por tudo que aconteceu na semana de preparação do dérbi.

Até este colunista que vislumbrou virtudes no trabalho de Loss constata o óbvio: a atuação foi horrorosa sob o ponto de vista tático e técnico. O treinador bugrino planejou algo, adiantou seu time e ao ser encurralado por Jorginho não sabia o que fazer.

Agora, se Osmar Loss é um treinador “robótico”, com conceitos de futebol definidos e fixos é de  se pressupor que algum sinal tenha sido dado durante os treinamentos. Fechados aos jornalistas, mas abertos e escancarados aos dirigentes. Eles trocaram ideias? Conversaram sobre possíveis problemas a serem encarados? Cobraram o técnico para um possível plano B? Se o Conselho de Administração teve rapidez para rifar o treinador, teve perspicácia para detectar os defeitos no trabalho?

Palmeron buscar transmitir a impressão de que é vitima da goleada sofrida no Majestoso. Engana-se. Foi cúmplice. E a torcida não vai esquecer tão cedo.

(Elias Aredes Junior)

Deixe Um Comentário