quinta-feira , 18 janeiro 2018
Home / Destaque / Guarani: que tal um pouco de paciência com Umberto Louzer?

Guarani: que tal um pouco de paciência com Umberto Louzer?

A política do Guarani com treinadores em 2017 foi um desastre. Total e absoluto. Ney da Matta, Mauricio Barbieri, Oswaldo Alvarez, Marcelo Cabo e Lisca são peças de um quebra cabeça marcado pela falta de convicção em relação ao futebol.

Uma hora querem o time na frente; em outras, a retranca vira tábua de salvação. Resumo: o Alviverde fica sem política e metodologia de jogo. Pior: querem virar a bazuca para Umberto Louzer, recém empossado.

Adepto da modernidade, mas com trânsito entre os jogadores, o técnico já está pressionado diante do prazo de validade estipulado pelo presidente Palmeron Mendes Filho. Se for bem na largada Série A-2, fica. Se algo ocorrer fora do roteiro, pode voltar a ser auxiliar técnico. Convenhamos: é como colocar um elefante em uma loja de cristais.

Para piorar o quadro, críticas aparecem aqui e ali sejam na imprensa ou nas redes sociais por causa da derrota para o Bragantino no jogo treino.

Não seria o caso de dar uma trégua para Umberto Louzer, independente daquilo que for apurado no próximo jogo contra o São Caetano? Será que a ânsia e a sede da diretoria e dos torcedores de viver um eterno conto de fadas não prejudica na construção de um trabalho profissional e sedimentado?

Esta impaciência e ânsia de esperar por um Messias paga seu preço: o último treinador que permaneceu por um ano no Guarani foi Oswaldo Alvarez que assumiu o clube no dia 06 de abril de 2009 e saiu no dia 10 de abril de 2010, após conseguir a manutenção na Série A-2 do Paulistão. Desde então, o Guarani teve 23 treinadores em sete anos. É normal? Não, não é.

Que Luciano Dias apareça e consiga transmitir o óbvio tanto para os dirigentes estatutários como para a torcida: sem compreensão, paciência e busca de entendimento sobre o trabalho do técnico não há sucesso no horizonte.

(análise de Elias Aredes Junior)

Veja Também

aa

Em noite iluminada do estreante Ivan, Ponte Preta vence Corinthians no Pacaembu

Com grande atuação do goleiro Ivan, a Ponte Preta estreou no Campeonato Paulista, nesta quarta-feira, ...

6 Comentários

  1. Aqui mesmo no blog, eu celebrei essa derrota. Jogo treino é para perder mesmo. Aí os erros ficam evidentes e podem ser corrigidos.

  2. Mais um comediante, torcer para seu time perder.
    Se acha um entendedor no mundo da bola.kkkk

    • Oi Macaco, rsrsrs. Treino é treino. Jogo é jogo. Jogo-treino está mais para treino do que para jogo. Jogo-treino é o momento para detectar os erros. É melhor perder e enxergar os erros, do que enfiar uma goleada e ter uma sensação ilusória de que tudo está maravilhoso, quando, na verdade, pode não estar. É lógica pura e simples.

  3. ACORDA DIRETORIA!

  4. Torcedor que acha bom seu time perder em jogo treino.
    Que faseeeee

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *