terça-feira , 23 outubro 2018
Home / Destaque / Guarani: que tal um pouco de paciência com Umberto Louzer?

Guarani: que tal um pouco de paciência com Umberto Louzer?

A política do Guarani com treinadores em 2017 foi um desastre. Total e absoluto. Ney da Matta, Mauricio Barbieri, Oswaldo Alvarez, Marcelo Cabo e Lisca são peças de um quebra cabeça marcado pela falta de convicção em relação ao futebol.

Uma hora querem o time na frente; em outras, a retranca vira tábua de salvação. Resumo: o Alviverde fica sem política e metodologia de jogo. Pior: querem virar a bazuca para Umberto Louzer, recém empossado.

Adepto da modernidade, mas com trânsito entre os jogadores, o técnico já está pressionado diante do prazo de validade estipulado pelo presidente Palmeron Mendes Filho. Se for bem na largada Série A-2, fica. Se algo ocorrer fora do roteiro, pode voltar a ser auxiliar técnico. Convenhamos: é como colocar um elefante em uma loja de cristais.

Para piorar o quadro, críticas aparecem aqui e ali sejam na imprensa ou nas redes sociais por causa da derrota para o Bragantino no jogo treino.

Não seria o caso de dar uma trégua para Umberto Louzer, independente daquilo que for apurado no próximo jogo contra o São Caetano? Será que a ânsia e a sede da diretoria e dos torcedores de viver um eterno conto de fadas não prejudica na construção de um trabalho profissional e sedimentado?

Esta impaciência e ânsia de esperar por um Messias paga seu preço: o último treinador que permaneceu por um ano no Guarani foi Oswaldo Alvarez que assumiu o clube no dia 06 de abril de 2009 e saiu no dia 10 de abril de 2010, após conseguir a manutenção na Série A-2 do Paulistão. Desde então, o Guarani teve 23 treinadores em sete anos. É normal? Não, não é.

Que Luciano Dias apareça e consiga transmitir o óbvio tanto para os dirigentes estatutários como para a torcida: sem compreensão, paciência e busca de entendimento sobre o trabalho do técnico não há sucesso no horizonte.

(análise de Elias Aredes Junior)

Veja Também

Números mostram: Ponte Preta pode engrossar (e muito!) o jogo contra o Fortaleza

Ganhar do líder Fortaleza seria uma missão impossível para a Ponte Preta se estivéssemos em ...

6 Comentários

  1. Aqui mesmo no blog, eu celebrei essa derrota. Jogo treino é para perder mesmo. Aí os erros ficam evidentes e podem ser corrigidos.

  2. Mais um comediante, torcer para seu time perder.
    Se acha um entendedor no mundo da bola.kkkk

    • Oi Macaco, rsrsrs. Treino é treino. Jogo é jogo. Jogo-treino está mais para treino do que para jogo. Jogo-treino é o momento para detectar os erros. É melhor perder e enxergar os erros, do que enfiar uma goleada e ter uma sensação ilusória de que tudo está maravilhoso, quando, na verdade, pode não estar. É lógica pura e simples.

  3. ACORDA DIRETORIA!

  4. Torcedor que acha bom seu time perder em jogo treino.
    Que faseeeee

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *