Hyuri aponta amigos de outros clubes como fator para rápida adaptação na Ponte

0
530 views

Bola na trave na estreia, jogada para o segundo gol da Ponte contra o Paysandu e ainda balançou as redes em Belém. Os primeiros minutos do atacante Hyuri com a camisa da Ponte Preta foram daqueles para ninguém botar defeito. Ficou clara a rápida adaptação e entrosamento com os companheiros, motivo de felicidade para o atleta de 26 anos.

“É muito importante individualmente para mim. Uma chegada é sempre mais complicada. Meus companheiros fizeram com que fosse mais tranquilo e a confiança só aumenta”, comemorou.

CONTINUA APÓS A PROPAGANDA

A amizade com companheiros em que atuou em outros times também ajudou. Velhos conhecidos como os volantes Nathan e André Castro, bem como Danilo Barcelos e Roberto, colaborou para que o jogador se sentisse em casa.

“Importante sempre na recepção do jogador ter algum conhecido, isso te ajuda na integração com o restante do grupo. Posso dizer que foi perfeito, conhecia o Nathan e o Danilo Barcelos do Atlético, o Roberto do Ceará, o André Castro do Audax. A integração foi muito facilitada por essas peças. Isso faz você se sentir em casa e conseguimos colocar o máximo em campo, como se já estivesse aqui há meses”, revelou.

Para Hyuri, a falta de ritmo de jogo ainda atrapalha o melhor desempenho, mas espera que a sequência de jogos colabore para poder atuar os 90 minutos em breve.

“A questão do ritmo a gente vai pegando. No último jogo eu sai com câimbras até porque não jogava fazia muito tempo e o campo estava muito pesado. Espero que a próxima partida possa aguentar os 90 minutos, vou conversar com a fisiologia”.

Questionado sobre a possibilidade de substituir o suspenso Júnior Santos na posição de centroavante na partida contra o Criciúma, na terça-feira, às 21h30, no estádio Moisés Lucarelli, o atacante deu pistas de que a briga por uma vaga entre os titulares deve ficar mesmo entre Neto Costa e Victor Rangel. Assim, Hyuri ficaria livre para seguir na direita, posição em que mais gosta de jogar.

“Como eu disse na minha apresentação, minha posição de origem é jogar aberto pelas pontas, mas se precisar, posso fazer a função do 9. Temos jogadores muito capacitados aqui como o Victor Rangel e o Neto Costa que têm a preferência para jogar, até porque eles são da posição”, finalizou.

(texto e reportagem: João Marcos Carneiro/foto: Reprodução)

Deixe Um Comentário