sexta-feira , 20 Abril 2018
Home / Artigos/Opinião / Incompetência domina os gabinetes dos clubes campineiros há pelo menos 20 anos. Como duvidar?

Incompetência domina os gabinetes dos clubes campineiros há pelo menos 20 anos. Como duvidar?

No último sábado,  durante o programa Bate Bola da Rádio Central, tive um debate acalorado com o apresentador Roberto Marcondes. Disse com todas as letras que os dirigentes campineiros são ruins. Péssimos. Incompetentes. Quase ninguém se salva. Não falo à toa e sim baseado em fatos. Tanto em Ponte Preta e como no Guarani.

Na Ponte Preta, como posso considerar exitosa uma administração que em 20 anos de estadia diminuiu o clube de tamanho? A Unidade Paineiras virtualmente não existe mais, o Jardim Eulina foi desativado para os sócios e o estádio Moisés Lucarelli vive de remendo em remendo à espera de uma Arena que fica eternamente na promessa.  Clubes similares  à Macaca, nos últimos 20 anos, conseguiram soluções mais práticas.

Em 1996, o Atlético Paranaense era proprietário do estádio Joaquim Américo sucateado. Derrubou tudo, inaugurou  a Arena da Baixada, conquistou título brasileiro, alcançou final de Copa Libertadores e seu estádio foi palco de Copa do Mundo. Em Araraquara, mesmo com resultados no campo piores que a Macaca, a Ferroviária conta com uma Arena muito mais moderna que o Majestoso. Independente da tragédia ocorrida no final de 2016, como negar os avanços da Chpaecoense? E reafirmo com outra pergunta: qual legado físico e concreto Sérgio Carnielli deixará após 21 anos dando as cartas? Que ninguém se iluda: os resultados foram apenas espasmos.

O Guarani não fica atrás. José Luiz Lourencetti, Leonel Martins de Oliveira, Marcelo Mingone, Álvaro Negrão, Horley Senna e Palmeron Mendes ficaram mais preocupados em criticar atos e posturas de antecessores do que preparar o alviverde para o Século 21. A estrutura continua arcaica, o Brinco de Ouro está defasado e as dívidas trabalhistas só foram pagas porque o estádio, na prática, foi vendido. Dentro de campo, nem preciso citar os 10 rebaixamentos acumulados e a perda de atletas em um piscar de olhos, fruto da incompetência reinante nos gabinetes.

Querem outro sintoma? Nas décadas de 1970, 1980 e 1990 jogadores de Ponte Preta e Guarani frequentarem a Seleção Brasileira era algo comum. E agora? O último jogador de ponta revelado pela Macaca foi Luis Fabiano no início dos anos 2000, enquanto que no Guarani foi o centroavante Jonas por volta de 2004 a 2005. Tudo isso fruto do sucateamento das categorias de base. Não, não culpe a Lei Pelé.

Depois disso pergunto: como aliviar a barra para quem deveria conduzir os clubes campineiros ao Século 21? Não dá.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Torcedores presentes na partida diante do Sampaio Corrêa tem prioridade no dérbi

O Guarani anunciou, nesta sexta-feira, que os torcedores que estiverem presentes na partida deste sábado, ...

1 Comentário

  1. No caso do Guarani F C foi só incompetência ???????????????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *