domingo , 20 janeiro 2019
Home / Destaque / Osmar Loss: esconder a escalação é para evitar espionagem ou esconder

Osmar Loss: esconder a escalação é para evitar espionagem ou esconder

Não conheço Osmar Loss . Por enquanto não há motivo para contestar a sua competência. No entanto, alguns de seus procedimentos poderiam ser evitados. Gera antipatia de graça, sem motivo. Indo direto ao ponto: sua determinação de sequer divulgar a escalação utilizada no jogo-treino contra a Internacional de Limeira foi excesso de zelo e produz reflexão sobre a utilidade da estratégia no dia a dia.

Em mundo normal, não existiria controvérsia sobre a divulgação dos titulares porque a imprensa, ao acompanhar a atividade, teria total cuidado em observar que está em curso um processo de construção e que as mudanças na partida fariam parte de uma atitude normal em pré-temporada. Seria uma prestação de serviço ao torcedor, que pode e precisa saber como seu time está escalado.

A atitude de Loss acompanha tendência nacional, que é a de fechar os treinamentos. Treinadores reclamam que a descrição de jogadas pode fornecer munição ao adversário.

Já ouvi, entretanto de um ex-dirigente de futebol uma tese na qual eu concordo. Na Europa, os treinamentos são fechados por uma questão cultural. No Brasil, o buraco é mais embaixo. Fecha-se treino para dar segurança ao atleta de futebol brasileiro, dotado de uma vaidade na mesma medida que insegurança. Ver um erro seu perpetuado por uma câmera de televisão é um pesadelo sem fim. Ele não pode ser humanizado. Precisa viver em seu mundo de fantasia. O treinador faz sua vontade.

Tem ainda a questão da qualidade. Os jogadores não tem o nível técnico de décadas passadas. Por vezes, a jogada era marcada, mas a criatividade resolvia. Pense um pouco: os adversários não marcavam as jogadas de Evair, João Paulo, Djalminha, Luizão, Jorge Mendonça? E porque nada impedia? Faça uma viagem no tempo e verá a resposta.

Osmar Loss fechar os treinos apenas porque reflete os nossos tempos, de um futebol milionário, vaidoso, mas com parca  qualidade.

(análise feita por Elias Aredes Junior)

Veja Também

Mazola coloca superação como palavra chave para vencer Oeste

O técnico da Ponte Preta, Mazola Junior, resolveu não divulgar a escalação antes do jogo ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *