domingo , 19 agosto 2018
Home / Destaque / Agenor evita comparação com Neuer e se coloca à disposição para jogar no Guarani

Agenor evita comparação com Neuer e se coloca à disposição para jogar no Guarani

Contratado pelo Guarani para fazer a torcida esquecer Bruno Brígido e afastar a desconfiança em Oliveira e Georgemy, o goleiro Agenor foi apresentado como novo reforço alviverde para a sequência da Série B do Campeonato Brasileiro. Comparado com o arqueiro alemão Manuel Neuer quando atuava no Joinville, o novo reforço bugrino explicou a origem do apelido “Ageneuer”.

“Eu jogava adiantado desde a base do Internacional, e o Neuer ficou muito evidente aqui na Copa do Mundo. Foi algo que aconteceu quando ele jogou assim em 2014 e peguei o apelido em 2015 no Joinville. Agradeço a todos que me chamam assim, mas o Neuer é uma pessoa e eu sou outra”, frisou.

Sem entrar em campo desde o dia 15 de abril, o atleta não se encontra bem fisicamente, mas mesmo assim se colocou à disposição do técnico Umberto Louzer.”Um dos motivos de ter vindo foi por não estar jogando no Sport. Me sinto preparado e ainda não estou 100%, mas vou estar. Mesmo assim me coloco à disposição desde já para estar em campo”, declarou.

Experiente, o novo goleiro do Guarani também atuou com Oliveira, em 2015, no clube catarinense. Abordado sobre a relação que tem com o atual titular do Bugre, o camisa 1 afirmou que o companheiro dispensa comentários.

“Conheci o Oliveira em 2015 no Joinville e dispensa comentários para trabalhar. Cada um procura seu espaço, quando cheguei lá ele já vinha jogando, houve a troca de treinador e pude dar minha contribuição. Quem ganha com essa disputa é apenas o Guarani. Se nós estamos aqui novamente é um pouco do destino e o importante é trabalhar a favor do Guarani”, afirmou.

Companheiro de Alisson no Internacional, atual camisa 1 da seleção brasileira e o segundo goleiro mais caro da história do futebol, Agenor comentou a amizade que tem com o jogador e relembrou o momento que o arqueiro passou a sua frente e assumiu a camisa 1 colorada.

“Tenho uma amizade muito boa com o Alisson. Na época eu era o terceiro goleiro do Internacional e ele, o quarto. Eu estava cansado de jogar no time B, pedi para não atuar mais e o Alisson começou a fazer isso. Em determinado momento, o Dida foi expulso, o Muriel estava machucado e o Abel Braga optou por ele. Ali em diante passou na frente. Quando o goleiro tem sequência começa a crescer mais. Fico feliz por ele por onde ele está hoje”, declarou.

Ainda sem o novo reforço, os comandados de Umberto Louzer voltam a campo neste sábado, quando recebem o Fortaleza, às 16h30, no Brinco de Ouro. A expectativa é que a torcida compareça em peso para acompanhar o confronto com o líder da Série B do Campeonato Brasileiro.

(texto e reportagem: Eduardo Martins/foto: Letícia Martins – Guarani Press)

Veja Também

Lesão, suspensões e reforços tiram espaço de Orinho no elenco da Ponte Preta

Contratado por empréstimo junto ao Santos no início da temporada, o lateral-esquerdo Orinho chegou à ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *