Análise: vantagens e frutos das mudanças que culminaram com a vitória do Guarani sobre o Ituano

0
1.605 views

Algumas vitórias têm significados que vão além da parte técnica e tática. Elas demonstram a capacidade emocional da equipe e até sobre até  que ponto os jogadores estão integrados ao trabalho da comissão técnica. Impossivel deixar de adotar tal conclusão quando verifica-se a atuação do Guarani diante do Ituano. Por incrível que pareça, existem outras camadas nos três gols anotados no estádio Novelli Júnior.

Primeiro porque Umberto Louzer adotou mudanças táticas que deram resultado. A grande sacada foi a colocação de Derek no lado esquerdo ao fazer revezamento com os armadores. Por que? Simples: um cenário é você escalar desde o início um jogador com velocidade, mas que tem dificuldade em atuar nos espaços curtos, como é o caso de João Victor. Quando você escala Derek, você até tem a perda da velocidade como atributo, mas ganha um jogador que pode se sobressair na força física e no senso de colocação. Detalhe: é o óbvio do óbvio. Só que João Victor entrou no segundo tempo, com o adversário cansado e teve mais espaço para atuar.

A mudança com Derek gerou um outro ganho: a escalação de Bruno Mendes. Você pode argumentar sobre a ausência de gols e até de mais conclusões do jogador. Bruno Mendes, no entanto, gerou técnica, habilidade, senso de posicionamento e uma percepção daquilo que vai fazer o oponente. Relembre como o Guarani ganhou qualidade nas jogadas feitas na próximidade da área e verá do que falo.

No meio-campo, ouso dizer que Anderson Leite não sai mais da equipe. Não pelo motivo de ter feito uma partida esplendorosa, mas porque permitiu aos outros integrantes do setor terem mais segurança na hora da criação. Apesar de que diga-se que os três se revezavam na proteção aos beques.

Tudo isso não surgiria no gramado se o time não demonstrasse recuperação emocional após a saída de Chay por lesão aos 18 minutos do primeiro tempo. Sim, porque o camisa 10 foi contratado para ser o articulador em lugar de Régis, que passou pela turbulência que todos sabemos. Ou seja, não é dificil imaginar que perder um atleta deste naipe é um tranco para qualquer um. Pois os atletas exibiram maturidade conseguiram se adaptar a conjuntura adversa e venceram.

Está tudo resolvido? Não. Tem muita coisa pela frente? Com certeza. Mas o Guarani mostrou um rumo para fazer uma campanha sem sustos. Se isso vai virar realidade nas próximas rodadas é o que veremos no futuro.

(Elias Aredes Junior-com foto de Raphael Silvestre- Guarani F.C)