terça-feira , 17 julho 2018
Home / Destaque / Apesar de orçamento quatro vezes maior, Longuine descarta vantagem do Goiás

Apesar de orçamento quatro vezes maior, Longuine descarta vantagem do Goiás

O futebol é o principal exemplo de que nem sempre o mais rico leva vantagem. Sobram provas, ao longo da história da modalidade, de times inferiores financeiramente tendo sucesso diante de adversários com forte poder de investimento. Goiás e Guarani, que se enfrentam na sexta-feira, 18, no Serra Dourada, também pode entrar na lista.

Se dentro de campo o Bugre ocupa melhor posição na tabela, fora dele a vantagem é goianiense. De acordo com números divulgados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o Esmeraldino é premiado com R$ 26 milhões de cotas de televisão – segunda maior entre os 20 participantes da Série B do Campeonato Brasileiro -, enquanto o time campineiro embolsa R$ 6 milhões, valor quatro vezes inferior. O líder neste quesito é o Coritiba com R$ 35 milhões.

“Orçamento não entra em campo, não podemos pensar nisso, assim como não deve se levar em consideração o fato do adversário não estar bem no campeonato. Não podemos cair neste armadilha para não sermos surpreendidos. É um jogo importante para ambos, então temos que ir com o pensamento de decisão. É preciso mudar nossa postura fora de casa e começar a pontuar longe de Campinas para alcançar êxito maior no final do ano”, afirmou.

O meio-campista, que deve ser mantido como titular em Goiânia, deu dicas de como o Alviverde pode voltar a vencer como visitante na competição após 16 partidas. “É um jogo muito importante, você precisa ter muita inteligência para jogar. Não devemos cair na armadilha de pontuação, não podemos olhar por esse lado porque a equipe deles vai querer ir para cima para vencer. Temos que saber o que queremos antes do jogo para não sofrer tanto da partida”, frisou o meia.

COMO ESTÁ O GOIÁS?

O time de Goiânia está mal: um ponto de quinze disputados. Em outras palavras, um empate e quatro derrotas. Além disso, tem o segundo pior ataque (três gols) e a segunda pior defesa (11) da competição. Como consequência do péssimo desempenho, o pior em sua história, Hélio dos Anjos foi demitido após derrota para o Vila Nova e Ney Franco assumiu, mas já foi derrotado na estreia.

(texto e reportagem: Lucas Rossafa/foto: Letícia Martins – Guarani Press)

Veja Também

Garçom e ladrão de bolas: Igor Vinícius toma conta da lateral direita da Ponte Preta

Emerson foi um dos principais nomes revelados pela Ponte Preta nos últimos anos. A expectativa ...

2 Comentários

  1. Com esta diretoria, pode pensar em um zagueiro que não joga faz um ano.

  2. Longuine está certíssimo. Muita humildade. É possível vencer o Goiás lá. Vamos com garra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *