domingo , 17 dezembro 2017
Home / Destaque / Há uma semana no Guarani, Fernando Diniz ainda busca autonomia na montagem do elenco

Há uma semana no Guarani, Fernando Diniz ainda busca autonomia na montagem do elenco

Fernando Diniz foi contratado há exatamente uma semana para comandar o Guarani em 2018. Será o sétimo clube que ele vai treinar. Passou por Botafogo, Paulista, Sorocaba, Paraná, Oeste e Osasco/Audax. O melhor trabalho foi no Audax no vice do Paulistão em 2016, mas um ano depois foi rebaixado na Série A1 e desligado do time osasquense. Ficou seis meses parado e assumiu o Bugre com a expectativa de se firmar no mercado.

Diniz pediu um contrato com garantias de que não será demitido, em caso de fracasso no Campeonato Paulista, mas o histórico imediatista da gestão de Palmeron é contraditório. Só em 2017 foram cinco treinadores: Ney da Matta, Maurício Barbieri, Vadão, Marcelo Cabo e Lisca. Diniz não pretende sofrer como Cabo, demitido após “apoio público” do presidente bugrino. A diretoria prometeu respaldar o treinador para impor seus métodos de trabalho. Resta saber se esse acordo será cumprido à risca, com a cultura resultadista do futebol brasileiro.

Durante a apresentação, o Guarani alegou que a contratação de Fernando Diniz foi feita para implantar uma filosofia moderna de trabalho. O presidente Palmeron afirmou que deseja um único treinador para 2018 com o trabalho sendo mantido entre Paulistão e Série B. Ao mesmo tempo, os pedidos de reforços de Diniz não estão sendo atendidos, e o tempo para desenvolver sua filosofia está ficando reduzido.

Nomes ventilados nos últimos dias como os volantes Fahel e Helder, além dos atacantes Erik e Francis, não foram solicitações da comissão técnica. Os jogadores não se encaixam no que o atual treinador acha ser o ideal. Mesmo na Série A2, Dinox deseja muito toque de bola, velocidade e movimentação. Jogadores da confiança do comandante como o zagueiro Velicka e Bruno Silva, que estavam à disposição no mercado, não foram procurados e acertaram com a Ferroviária. Outros atortas como o goleiro Felipe Alves e o atacante Burno Paulo também não avançam. A prioridade está voltada para atletas indicados por diretores.

Após uma semana sem sucesso nas transações, Fernando Diniz segue em busca de autonomia. E precisará lutar contra a condição atual no Brinco de Ouro. Só terá serventia, se puder implantar o que ele acha ideal. Se aceitar ser um coadjuvante, acatando todas as determinações do presidente, vai se desgastar e sairá. O treinador corre contra o relógio. Aliás, tempo será outro grande obstáculo. A equipe estreia na Série A2 no dia 17 de janeiro, contra o Oeste, em Barueri.

PS: A diretoria do Guarani nos procurou para reafirmar que os pedidos do treinador estão alinhados com os contatos feitos no mercado da bola, inclusive que os nomes de Fahel, Helder e Erik receberam respaldo de Fernando Diniz. A versão do clube foi registrada 1h depois da publicação da matéria.

(Texto de Júlio Nascimento/foto: Gabriel Ferrari-GuaraniPress)

Veja Também

YAGO

Corinthians solicita volta de zagueiro e frustra planos da Ponte Preta; Macaca avaliará novo defensor no mercado

O técnico Eduardo Baptista segue em busca de alternativas para reforçar o sistema defensivo da ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *