Elenco com qualidade ruim, falta de rumo e Z4 na Série B: o que impede uma cobrança enfática sobre os responsáveis pelo futebol do Guarani?

0
261 views

O Guarani está na zona do rebaixamento. Se a Série B fosse encerrada nesta final de semana, o alviverde teria a Série C como destino. Um desastre de proporções inimagináveis: perda de cotas, ausência de projeção na mídia e a derrocada em relação a participação na Liga de Clubes.

Por que acontece tal quadro?

Simples resposta: o elenco é fraco.

Não tem qualidade.

Para aqueles que desejam uma descrição pormenorizada de tal limitação nós faremos neste instante.

Afinal, como posso considerar que tenha qualidade uma equipe com quatro zagueiros limitados – Ernando, João Victor, Ronaldo Alves e Derlan- e que incapazes de marcar com eficiência no mano a mano? Poderia citar ainda os vacilos nas bolas áreas. Dá para aceitar? Não, não dá.

Como posso tecer qualidades pelas laterais se pelo lado esquerdo, apesar das boas incursões no ataque, no geral verifica-se claramente que Matheus Pereira é inferior a Bidu? Eliel, seu reserva, até tem poder de marcação, mas é deficiente no apoio. Um problema para quem atua com proposição de jogo ou no contra-ataque. Ok, no lado direito ainda há esperança. Apesar das lesões, Diogo Matheus é jogador de boa qualidade e Lucas Ramon padece de ritmo de jogo. Julgá-lo é uma temeridade.

As debilidades e falhas na montagem do time aparecem no meio-campo.

Até hoje, não foram explicitados os critértios que levaram a dispensa de Bruno Silva que, mesmo com seus defeitos tinha a virtude de viabilizar uma boa saída de bola.

Substitutos?

Todos ruins. Assim como não há suplentes para Rodrigo Andrade. Madison, Silas, Leandro Vilela – talvez o mais qualificados de todos – e Índio são o acabamento da limitação técnica e da falta de criação de versatilidade no meio-campo.

Aí desembarcamos no camisa 10. Esperaram dias e dias por Andrigo e Régis. Não conseguiram nada. De ultima hora, na base do improviso, trouxeram Giovanni Augusto. Dentro do campo, quando tem lampejos, Giovanni Augusto pode decidir com boas viradas de jogo, passes precisos e técnica apurada para colocar o companheiro na cara do gol. Só tem um problema: não é um cenário constante. É esporádico. Não é constante.

Para completar este show de horrores, o Guarani tem um veolocista sem capacidade de passe e conclusão – Yago-, um meio-campista falho em dar dinâmica e intensidade no jogo – Marcinho- e um atleta que não se sabe se é possível contar com sua eficiência, que é Vitinho.

Lado positivo da formação do elenco? Bruno José, velocista, solidário e com bom poder de conclusão e o goleiro Mauricio Kozlinski.

. Mas são dois pontos positivos em comparação com dezenas de decepções. Pergunto: como tecer um clima otimista diante de tantos erros de formação de elenco? 

E aprofundo a pergunta: o que justifica a blindagem que uma parte dos formadores de opinião pública (jornalistas, podscasters, influenciadores) concedem ao Superintendente Executivo de Futebol Michel Alves? Por que a sua responsabilidade na formação desse time não é cobrada de modo enfático?

Ok, você pode dizer: “Ah, mas ninguém elogia Michel Alves”. Concordo. Mas o silêncio também é um aval ao seu trabalho deficiente.

Preocupante não são apenas os sete pontos e a 17ª colocação. Desesperadora é a ausência de qualidade, talento, posicionamento tático, rumo no trabalho no estádio Brinco de Ouro. Não culpe Ben Hur Moreira. É um funcionário. Cumpre ordens. Faz o que é possível. Se a montagem e a produção é deficiente, a responsabilidade é de Michel Alves e do seu superior, Ricardo Moisés.

Eles é que devem explicações a torcida bugrina. Eles é que deveriam  aparecer rotineiramente para falar e dar explicações. Fazem sazonalmente. Quando a temperatura está baixa. É algo que deve ser apontado. Eles são responsáveis pelo atual estado de coisas no Guarani.

Sem cobrança e mudança de rumos, a Série C é logo ali. Ricardo Moisés e Michel Alves são passageiros. Já um rebaixamento será uma vergonha perene ao Guarani. Que eles tenham noção de algo tão básico.

(Elias Aredes Junior- foto de Victor Souza-Tombense F.C)