Parte da torcida da Ponte Preta virou uma metamorfose ambulante. Quem perde? O clube. Leia e entenda

0
790 views

Você pode analisar comunidades de diversas formas. Verificar o comportamento nos pequenos grupos ou de modo geral. Seja qual for o seu ângulo de análise, algo dá para cravar: uma parte da torcida da Ponte Preta não sabe o que quer. Atira em todas as direções e revela os mais diversos gostos. Sem se definir por nenhum.

E o mais interessante: uma parte que desejava mudanças e a saída do grupo político que dominava o Majestoso há 25 anos simplesmente agora tem reservas ao grupo político que tomou o poder.

O torcedor pontepretano quer mudanças profundas na estrutura do futebol e alterações nominais. Mas ao mesmo tempo repudia a saída de Betão como preparador de goleiros. Detalhe: quer censurar um direito, uma prerrogativa do futuro presidente Marco Antonio Eberlin. Eu, você, qualquer um podemos achar Betão extremamente competente. Isso não é impeditivo para que a diretoria executiva decida por sua demissão. Cada um, cada um.

Uma hora ama Gilson Kleina por ter salvo o time da terceira divisão. No minuto seguinte, ao saber de sua renovação de contrato, quer a sua cabeça. Nenê Santana? Não vi e não gostei, pensam muitos. Repúdio ao ex-zagueiro. Sem tempo para demonstrar serviço.

E Luis Fabiano? Na opinião deste torcedor ele não presta. Simples assim. Tem que ser colocado para fora. O mesmo torcedor que aguentou Alarcon Pacheco e Alex Brasil agora não quer ver nem pintado de ouro o ex-atacante. Para justificar a sua loucura futebolística, este torcedor relembra que o agora dirigente recursou jogar na Ponte Preta em 2017, etc, etc.

Os defeitos e desafios de Marco Antonio Eberlin todos estão carecas de saber. A obrigação de mostrar-se atualizado, a tarefa de fazer a junção de metodologias do passado e do presente do futebol e ainda a tarefa de sanear finanças e produzir resultados em curto prazo. Pesado, reconheço. Mas esta é a vida. Se falhar a critica virá. Impiedosa.

Só que este fardo seria bem mais leve se um contingente considerável da torcida da Ponte Preta parasse de se comportar como biruta quebrada em aeroporto. Até porque quando você não sabe para qual rumo vai seguir, qualquer um serve. Inclusive o abismo. Pense nisso.

(Elias Aredes Junior-Foto Divulgação)