Gustavo Bueno: é hora de assumir a responsabilidade, sair da toca e conversar com o torcedor pontepretano sobre 2018

1
785 views

Concordo que neste instante não há como pressionar os responsáveis pelo departamento de futebol da Ponte Preta para apresentarem um elenco completo para 2018.

Seria insanidade exigir que alguém exiba o que oferecerá ao público 10 dias após conhecer uma redução drástica de verbas. Ou seja, a margem de manobra fica estreita. Quase inexistente.

Como estamos em uma época de crise econômica, os times pequenos e médios sofrem para renovar, contratar ou surpreender seus torcedores. Neste quesito, não há como exigir nada do gerente de futebol Gustavo Bueno. Que, aliás, sequer sabe quem será o seu superior em 2018 em virtude da escolha da nova diretoria executiva sob o comando de José Armando Abdalla Júnior.

Tal cenário não exclui a culpa de Gustavo Bueno em um aspecto: o silêncio e a falta de esclarecimentos junto à torcida.

Ele sabe que sua reprovação é altíssima. Muitos o responsabilizam diretamente pelo rebaixamento à Série B do Campeonato Brasileiro. Sua manutenção foi uma afronta na visão de torcedores e especialistas em futebol.

Gustavo Bueno deveria constatar que em tal circunstância a falta de comunicação eleva o ódio para um patamar quase sufocante. Neste período de recesso, seria a hora do dirigente remunerado aparecer na imprensa, de guarda abaixada, exibir seus argumentos, pedir desculpas pela queda e projetar o próximo ano.

Gustavo Bueno deveria explicar porque vai adotar determinado perfil de equipe e porque vale a pena continuar com Eduardo Baptista, apesar do índice pífio de aproveitamento no Brasileiro.

Se Gustavo Bueno não pode anunciar contratações, que esclareça pontos essenciais: o Paulistão será laboratório e para chegar às semifinais? O time terá um perfil defensivo ou ofensivo? Existe possibilidade de integração entre as categorias de base e o profissional?

Concedo a afirmação: em circunstância normal Gustavo Bueno não deveria dar explicações e justificativas. O superior daria conta do recado. Mas Vanderlei Pereira e Sérgio Carnielli não querem. Ou não gostam. Então, que Gustavo Bueno vislumbre a missão que tem diante de si.

Por ser filho do maior jogador da história da Ponte Preta e ser formado no clube, Gustavo Bueno tem motivos de sobra para deixar o temor de lado e encarar o debate da opinião pública.

Ser cúmplice do divórcio com a capitaneado pelos seus superiores só piora o estado de coisas. É hora de Gustavo Bueno assumir a responsabilidade, encarar a verdade e seus atributos na Ponte Preta. Antes que seja tarde. Se já não for.

(análise de Elias Aredes Junior)

1 Comentário

  1. Não tem esse papo de explicação, a torcida da Ponte tá cansada de explicações desse sujeito que passou o ano “monitorando o mercado” e conquistou com méritos o rebaixamento. O trabalho do GB fala por si, o melhor que ele tem a fazer pra preservar o pouco de dignidade que lhe resta é pedir demissão.

    Digam-me se conhecem alguma empresa séria onde um gestor que gasta mal o orçamento que dispõe fazendo com que a empresa dê prejuízo ao final do exercício e continue “prestigiado” no cargo? Só conheço uma a Ponte Preta.

    A comunidade pontepretana quer resultado (inclui-se o título, é claro, mas não somente isto) e com essa diretoria sabe que por 4 anos teremos mais do mesmo, ou seja veremos times “água de salsicha” que lutam somente contra o rebaixamento.

    Como escrevi dias atrás, a solução Abdalla foi mudar tudo para manter tudo como está.