Guarani e Allan Aal: É ato de injustiça culpar somente o treinador? E quem montou o time? Não tem culpa?

0
246 views

O professor Eduardo Lacerda, participante do grupo de Whatsapp do Só Dérbi traz um dado da participação do Guarani no Campeonato Paulista: O time desferiu  70 chutes e anotou dois gols. São 35 chutes para fazer um gol.

Solução fácil seria culpar única e exclusivamente o treinador. Só que o confronto com o Corinthians esvaziou boa parte dos argumentos. Lógico que existem equívocos, como a escalação de Bruno Sávio como ponta e outros instantes como falso centroavante. Não consegue fazer uma coisa e nem outra. Seria injusto ignorar o volume de jogo, a compactação na marcação, a transição no meio-campo. Nada é fruto da acaso. Fruto de treinamento. Diante disso, mérito de Allan Aal.

Calma, espere. Porque o Guarani  caiu nessa armadilha? Primeiro porque a comissão técnica não deposita confiança absoluta em Rafael Costa, o único especialista da posição. Fincou vaga na reserva. Convenhamos: em conjuntura diferente, o camisa 9 seria titular absoluto, mesmo se jogasse em baixo nível. Já não tem tu, vai tu mesmo. Slogan batido mas real.

Em segundo lugar, no seu planejamento tanto o Conselho de Administração como o departamento de futebol profissional juntaram dois fatores sem conexão: contrataram um técnico que trabalha que aprecia contar com um centroavante de referência no elenco e deixou o profissional sem essa opção. Claro, com qualidade.

Ele faz o que pode.

Não é mágico.

Quando atuava no Paraná, Allan Aal venceu o Guarani, na Série B do ano passado, por 2 a 1 no Brinco de Ouro e um dos titulares era Bruno Gomes, centroavante típico e com 1,82 m. No Cuiabá, utilizava Williams Santana ou Elton, ambos da posição.

Ele podia até começar com os atletas no banco de reservas, mas depois apostava neles.

Allan Aal tem culpa? Tem porque é o responsável e porque comete alguns equivocos. Mas o Conselho de Administração tem  sua parcela de culpa neste começo errático no Paulistão.

(Elias Aredes Junior- Foto de Thomaz Marostegan)